segunda-feira, 30 de maio de 2011

Lista de seres mitológicos da Bíblia? (Parte 2)

(Parte 1)

8. Unicórnio


São algumas passagens que encontramos com referência ao famoso animal mitológico na Bíblia. Mostramos textos da versão Almeida Revista e Corrigida (1995):

"Deus os tirou do Egito; as suas forças são como as do unicórnio." Nm 23.22

"Deus o tirou do Egito; as suas forças são como as do unicórnio; consumirá as nações, seus inimigos, e quebrará seus ossos, e com as suas setas os atravessará." Nm 24.8

"Ele tem a glória do primogênito do seu boi, e as suas pontas são pontas de unicórnio; com elas ferirá os povos juntamente até às extremidades da terra; estes, pois, são os dez milhares de Efraim, e estes são os milhares de Manassés." Dt 33.17

"Querer-te-á servir o unicórnio ou ficará na tua cavalariça? Ou amarrarás o unicórnio ao rego com uma corda, ou estorroará após ti os vales?"Jó 39.9,10

"Salva-me da boca do leão; sim, ouve-me desde as pontas dos unicórnios." Sl 22.21

"Ele os faz saltar como a um bezerro; ao Líbano e Siriom, como novos unicórnios." Sl 29.6

"Mas tu exaltarás o meu poder, como o do unicórnio: serei ungido com óleo fresco." Sl 92.10

"E os unicórnios descerão com eles, e os bezerros, com os touros; e a sua terra beberá sangue até se fartar, e o seu pó de gordura se encherá." Is 34.7
Só é necessário um breve estudo para mostrar que esse unicórnio não é o mesmo que vem às nossas cabeças. A palavra original em hebraico é "re'êm", o seu significado não é conhecido com precisão, mas provavelmente está longe de ser o unicórnio que conhecemos hoje, visto que o unicórnio como animal mitológico surgiu na Pérsia e na China, na era pré-cristã, provavelmente como interpretação do achado de fósseis do Elasmotherium sibiricum. (Fonte) Os hebreus nunca tiveram contato com os chineses, e tiveram contato com os persas depois que todos os livros da Bíblia citados acima já haviam sido escritos.

A palavra "unicórnio" surgiu na Bíblia quando a mesma foi traduzida para o grego (Septuaginta), por volta de 300 a.C., e a palavra hebraica foi substituída pelo termo "monokeros", que em bom português equivale a "monochifre", ou "unicórnio". Além disso, diversas traduções atuais da Bíblia já retraduziram esse termo infeliz para outros que são mais prováveis, como o auroque, uma espécie de boi selvagem caçado pelos povos mesopotâmicos, hoje extinto. Foram encontrados altos-relevos em sítios arqueológicos na Assíria onde os auroques são retratados de perfil, parecendo assim terem um chifre só.

Veja Nm 23.22 em diversas outras traduções atuais:
“Deus os tirou do Egito; as forças deles são como as do boi selvagem” (Almeida Revista e Atualizada).

“Deus os tirou do Egito; ele tem a força de um touro selvagem” (Bíblia na Linguagem de Hoje).

“God bringeth them forth out of Egypt; He hath as it were the strength of the wild-ox” (American Standad Version). Obs.: Ox é boi.

“It is God who has taken them out of Egypt; his horns are like those of the mountain ox” (Bible in Basic English).

“God who brought them out of Egypt is for him like the lofty horns of the wild ox” (Green s Literal Translation).

“Dio, che lo ha fatto uscire dall Egitto, è per lui come le corna poderose del bufalo” (La Sacra Biblia Nuova Riveduta).

“God brought them out of Egypt. He has, as it were, the strength of an ox” (Modern King James Version).

“Deus eduxit eum de Aegypto cuius fortitudo similis est rinocerotis” (Jerome's Latin Vulgate).
 9. Beemote;


"Contemplas agora o beemote, que eu fiz contigo, que come a erva como o boi. Eis que a sua força está nos seus lombos, e o seu poder nos músculos do seu ventre. Quando quer, move a sua cauda como cedro; os nervos das suas coxas estão entretecidos. Os seus ossos são como tubos de bronze; a sua ossada é como barras de ferro. Ele é obra-prima dos caminhos de Deus; o que o fez o proveu da sua espada.
 
Em verdade os montes lhe produzem pastos, onde todos os animais do campo folgam. Deita-se debaixo das árvores sombrias, no esconderijo das canas e da lama. As árvores sombrias o cobrem, com sua sombra; os salgueiros do ribeiro o cercam.

Eis que um rio transborda, e ele não se apressa, confiando ainda que o Jordão se levante até à sua boca. Podê-lo-iam porventura caçar à vista de seus olhos, ou com laços lhe furar o nariz?"
 Este trecho do livro de Jó é uma das poucas referências bíblicas ao animal, supostamente mitológico. Já se fizeram várias imagens de como seria esse animal lendário, algumas versões trazem desde uma espécie de boi com uma couraça protetora natural até o que poderia ser um dinossauro. Entretanto, a palavra hebraica "behemoth" também pode ser traduzida como "hipopótamo". Alguns pensam que seria uma espécie de nome genérico para qualquer mamífero terrestre de grande porte.

10. Jumento falante;


"Balaão levantou-se pela manhã, pôs a sela sobre a sua jumenta e foi com os líderes de Moabe. (...) Quando a jumenta viu o anjo do Senhor, deitou-se debaixo de Balaão. Acendeu-se a ira de Balaão, que bateu nela com a sua vara. Então o Senhor abriu a boca da jumenta, e ela disse a Balaão: "Que foi que eu lhe fiz, para você bater em mim três vezes? " Balaão respondeu à jumenta: "Você me fez de tolo! Quem dera eu tivesse uma espada na mão; eu a mataria agora mesmo". Mas a jumenta disse a Balaão: "Não sou sua jumenta, que você sempre montou até o dia de hoje? Tenho eu o costume de fazer isso com você? " "Não", disse ele. Então o Senhor abriu os olhos de Balaão, e ele viu o anjo do Senhor parado no caminho, empunhando a sua espada. Então Balaão inclinou-se e prostrou-se, rosto em terra." Nm 22.21,27-31
Pelo que eu pude ler, certamente a Bíblia não disse que existem jumentos falantes andando por aí em qualquer lugar. Nem mesmo diz que existiu um jumento falante naquele tempo. Vemos no texto que era uma jumenta normal, que provavelmente servia a Balaão há algum tempo, mas que foi tornada capaz de falar temporariamente através de um milagre divino. O outro milagre notável do texto é a aparição do anjo.

11. Serpente-falante, serpente-bípede;


Não preciso repetir que não sou a favor de uma interpretação literal da maioria dos relatos de Gênesis sobre a criação. Tudo ali pode ter sido registrada de maneira simbólica, ou didática, para formular o conceito de pecado.

Entretanto, a maioria dos cristãos considera Adão, Eva e a serpente como seres literais. Seria difícil determinar qual teria sido a verdadeira aparência da tal serpente, já que não se diz muito do tal animal na Bíblia. Quanto ao fato da serpente ter possuído patas, não há problema algum, pois há um consenso até entre os evolucionistas de que esses animais em algum momento do passado eram assim. (Fonte) Quanto ao fato de ser falante, ainda teríamos duas possibilidades: ou a serpente descrita no texto não seria um animal real, mas uma materialização de um ser espiritual, ou seria o mesmo caso da jumenta falante, a capacidade temporária de falar.

12. Comidas caindo do céu, água virando sangue, mares se abrindo, etc.

Isso daria um bom e grande texto, mas já há muito material por aí que dá explicações científicas de como teriam ocorrido as pragas e milagres no Egito. Um desses materiais é o livro "E a Bíblia tinha razão", de Werner Keller. Com uma pesquisa no Google você acha alguma coisa a mais, eu vou dar dois links de graça: 1 e 2.

13. O Sol parando por horas;

Me atenho à mnha humildade por dizer que não achei nenhuma explicação convincente até hoje do fato. Para quem não conhece, o texto está em Josué capítulo 10, e trata de um dia que foi extraordinariamente longo.

Posso dizer que nosso conhecimento é progressivo, assim como as respostas científicas do item 12 foram encontradas recentemente, quem sabe no futuro conseguiremos encontrar a solução desta questão. Por último, não posso deixar de mencionar que pode não ter sido um milagre astronômico, mas sim uma alteração na percepção temporal dos guerreiros hebreus e seus inimigos.

14. Bruxas lendo o futuro;

Não me lembro de ter visto isso na Bíblia... bem, existem os profetas, que não são bruxas. As profecias deles foram escritas na Bíblia, e na mesma Bíblia se mostra o cumprimento posterior de muitas delas. Não vejo mais o que discutir sobre isso.

15. Anjos dormindo com humanas;

Isso definitivamente não está na Bíblia. É uma questão de interpretação do verso em Gênesis capítulo 6:
"Viram os filhos de Deus que as filhas dos homens eram formosas; e tomaram para si mulheres de todas as que escolheram." Gn 6.2
A maioria dos estudiosos bíblicos sérios considera essa oposição entre os termos "filhos de Deus" e "filhos dos homens" como as gerações de Sete e de Caim, que foram os dois filhos Adão que deixaram descendência. A geração de Caim foi amaldiçoada depois do pecado do mesmo. (Fonte)

16. Pessoas que passam dias no estômago de uma baleia;

A história de Jonas é muito conhecida, e uma das preferidas dos céticos anti-bíblicos para criticar a autenticidade do relato bíblico como histórico.

Há várias possíveis maneiras de explicar o ocorrido. Achei uma no blog de um pastor (apesar de a fonte não ser tão científica assim, eu li e achei razoável. Procurei e não vi contradições no texto em relação a outros dados).

A maior controvérsia sobre a história é se Jonas foi engolido por uma baleia ou um grande peixe (como é geralmente traduzido o texto). A verdade é que os hebreus não faziam essa distinção entre os animais, portanto fosse um ou outro, estariam representados pela mesma palavra. Alguns têm dito que baleias não são capazes de engolir homens, dado o tamanho de suas vias digestivas. Entretanto, o cachalote, por exemplo, possui uma enorme cabeça quadrada, que constitui cerca de um terço do seu comprimento, e é plenamente capaz de engolir um homem inteiro. (Mammals of the World [Mamíferos do Mundo], de Walker, revisado por R. Nowak e J. Paradiso, 1983, Vol. II, p. 901).

17. Pessoas que voltam dos mortos;

De longe o tema central da Bíblia é a salvação através de Jesus, que só pode ser possível através de seu sacrifício e ressureição. É verdade também que se Jesus não tivesse ressuscitado dos mortos, todo o cristianismo não teria sentido.  
"E, se Cristo não ressuscitou, é vã a vossa fé, e ainda permaneceis nos vossos pecados.E também os que dormiram em Cristo estão perdidos. Se esperamos em Cristo só nesta vida, somos os mais miseráveis de todos os homens." 1 Co 15.17-19.
 A ressureição de Cristo, portanto, é o tema central do cristianismo, e deve ser a base mais sólida para a fé de qualquer cristão. Já escrevi aqui sobre a e a suas bases, dizendo que a fé não é acreditar sem evidências, já que isso é absurdo. A fé é uma espécie de conhecimento que se adquire de forma direta, não através da experimentação ou medição. E ela pode (e deve) ter evidências. O filósofo cristão William Lane Craig aponta a ressureição de Cristo como uma das provas da existência de Deus e é um grande apologeta desse evento (ver por exemplo http://www.youtube.com/view_play_list?p=DD866CA4ECDA31A4), e pode-se encontrar outros materiais na internet sobre o assunto (por exemplo aqui).

Concluindo mais um artigo, espero voltar aqui em breve para postar mais informação aos amigos leitores.

Abraços, Paz de Cristo.

70 comentários :

  1. Quem disse que unicórnios não existem?


    http://g1.globo.com/Noticias/Ciencia/0,,MUL597143-5603,00.html

    ResponderExcluir
  2. Deus é forte feito feito um viadinho mutante!!!!


    Aleluia, irmãos !!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. e vc tao macho quanto um.R

      Excluir
    2. E você ofende a Deus por acreditar que ele não existe? Se crê nele sabe que não deveria ofende-lo, se não crê, sabe que é idiotice ofende-lo.Então, qual dos dois você é: imprudente ou idiota? Saiba, no entanto, que tanto faz. Todo imprudente é um idiota e, todo idiota é um imprudente.

      Excluir
    3. argumento zero desse rapaz ai muito fraco nuca existiu jumento falando kkkkk só na biblia crista mesmo

      Excluir
    4. argumento zero desse rapaz ai muito fraco nuca existiu jumento falando kkkkk só na biblia crista mesmo

      Excluir
  3. Anônimo, com todo o respeito,

    você não tem nada melhor pra fazer?

    Abraços, Paz de Cristo.

    ResponderExcluir
  4. eu adoro onicórnios espeçialmente quando têm asas e voçês?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Este comentário foi removido pelo autor.

      Excluir
    2. Eu prefiro sem asas mesmo.... curto um unicórnio mais tradicional sabe !?

      Excluir
    3. Eu prefiro sem asas mesmo.... curto um unicórnio mais tradicional sabe !?

      Excluir
  5. Caro Anônimo 2, releia meu comentário acima.

    Abraços, Paz de Cristo.

    ResponderExcluir
  6. Tem um anônimo bem retardado aqui hein...

    Voltando.
    O item 16. "Pessoas que passam dias no estômago de uma baleia" que fala do suposto peixe e Jonas, você não explicou como que uma pessoa vive dias dentro um peixe/baleia. Citou a possibilidade de ser uma Cachalote que é enorme e tals. Mas, por uma momento, acreditemos que foi supostamente a cachalote que abrigou Jonas. Como que o rapaz sobreviveria dentro de um ser que vai às águas profundas, o que comeria? Como respiraria?
    Ah, foi deus...
    Sei.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Caro Fernando,
      é óbvio que eu não tenho todas as respostas. Talvez nunca teremos a definitiva para esta questão de Jonas. Mas ainda existem muitas possibilidades. Ele poderia ter sobrevivido muito bem sem comer por três dias, independente de ser numa cachalote, num submarino que veio do futuro ou no que for. E dentro das possibilidades está incluída sim a de um milagre divino. Por que não? Afinal eu estou partindo do ponto de que Deus existe, não estou discutindo a existência de Deus neste post.

      Abraços, Paz de Cristo.

      Excluir
    2. Amigos, sobre o unicornio e outros nao podemos esquecer q Biblia usa linguagem poetica, principalmente em Salmos, comparar Deus a um Unicornio,foi proprosital pq nao ha na terra animal com tamanha forca e explendor pra ser comparado a Deus.

      Val Soares.

      Excluir
    3. Claro, deus é uma poesia, uma maravilha, um eterno sonho, uma utopia, uma , um .... consola besta, um engana trouxa, uma furada, sei lá... uma merda de ficção. paz de cristo para vc também, rsrsrs.

      Excluir
    4. "Em 1891 o navio baleeiro inglês Star of the East navegava perto das ilhas malvinas, na costa da Argentina. Foi avistado um cachalote e um grupo de arpoadores para ele se dirigiu. O marinheiro James Bartley, ao ter seu barco abalroado, desapareceu junto ao cetáceo, bem como outros de seus companheiros. O fato foi muito lamentado entre a tripulação do navio e o cachalote foi finalmente arpoado. Ao ser cortado, os marinheiros notaram que algo se movia em seu estômago. Pensando tratar-se de algum peixe de grande porte, abriram-no com cuidado. Para seu espanto, não era outro senão James Bartley, vivo, mas desacordado, que ali estava. Reanimado pelos companheiros, Bartley ainda viveu dezoito anos para contar aos filhos e netos a sua história."

      Excluir
    5. Cadê a fonte. Quero verificar a estória.

      Excluir
    6. Este comentário foi removido pelo autor.

      Excluir
    7. Caro Varg,
      antes de apagar eu vi seu comentário. Se você acha que, em qualquer um dos pontos que respondi, eu usei argumentos de fé em vez de explicações e esclarecimentos racionalizáveis, por favor, seria muito proveitoso expor para que pudéssemos melhorar o conteúdo das páginas. Mas terá que dizer exatamente onde no texto isso aconteceu e por quê.

      Abraços, Paz de Cristo, volte sempre.

      Excluir
  7. Você precisa compreender mais e mais sobre o assunto DEUS. Lembrando que não há como os ateus desqualificar a Palavra de Deus (veja eu não disse RELIGIÃO porque hoje ela está desqualificada, a Bíblia não), os ateus correm de um lado para o outro procurando provas e nunca acham, eles estão com medo, pois acreditam que ao morrerem nunca mais existirão, sofrem por esta questão de lógica - sem fé em Deus não há sentido de existência. Não precisamos ser católicos, evangélicos, etc., para Jesus nos salvar (ou será que na Bíblia diz que o templo (igreja) e os rituais que muitos sacerdotes (padres, pastores) inventam é que nos levarão à salvação?). "A ciência humana para Deus é loucura". A VERDADE irá aparecer...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Amigo, eu não entendi muito bem o que você quis dizer. O que isto tem a ver com o assunto do artigo?

      Abraços, Paz de Cristo.

      Excluir
    2. Desqualificar a bíblia, e precisamos? este livro idiota se desqualifica por si só, só os imbecis é que não veem isso, ex: veja sua origem, é ridícula e mentirosa.

      Excluir
    3. Caro amigo,

      qual o sentido de você chegar e fazer esse tipo de comentário aqui? Se sua intenção é ser construtivo e civilizado, porque usar essas palavras ofensivas? E se seu objetivo é contra-argumentar o que eu defendo, porque não mostrar evidências a seu favor em vez de simplesmente jogar acusações? Desse jeito, parece que o seu intento é justamente causar bagunça no tópico. Peço que, se for realmente isso, não comente mais aqui, mas se algum dia você estiver disposto a criticar este blog de forma construtiva, sinta-se a vontade para comentar a qualquer hora.

      Abraços,Paz de Cristo.

      Excluir
  8. Se a jumenta e a baleia foram milagres, por que o resto também não poderia ter sido?

    Por que os cristãos simplesmente não aceitam que tudo foi milagre e vão ser felizes enquanto aguardam a volta do Cristo?

    Sei não viu... Acho que esses dois mil anos de espera talvez já estejam deixando os cristãos inseguros. Daí, talvez, a necessidade que eles têm de explicar, justificar, validar...

    Por outro lado, quanto mais a bíblia precisa de explicações, justificativas e validações (agora feitas por qualquer um e não apenas pelos inspirados por Deus), mais aumentam as desconfianças sobre ela e tudo o mais que foi construído com base no diziam que ela dizia.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. " pois 1 dia para Deus são como 1 anos para o homem" me baseio nisso para acreditar por exemplo na criação em 7 dias....ja que o numero 7 ode ter sido uma super exemplificação de um numero extraordinariamente alto na qual nao se tinha conhecimento na época, ja que para Deus tals numero seria como minutos.

      Excluir
    2. só uma correção ^ "1 dia para Deus são como 1000 anos para o homem" abraços.

      Excluir
    3. Só um detalhe, na Bíblia os 7 dias são literais (24 horas cada), pois a palavra original em genesis designada para um dia é a mesma palavra utilizada em outras partes da Bíblia quando estas se referiam a 24 horas. Não sei como é a palavra no original, pergunte a um teólogo.

      Achar que Deus fez o universo em 7 mil anos é querer limitar o poder de Deus.

      Excluir
  9. Pois é! Sou uma época (e de um contexto social)em que o pastor dizia que a bíblia dizia que branco era branco e preto era preto. Não havia dúvidas nem questionamentos. A cobra falou. Ponto!

    Agora descobri que a bíblia diz que branco é preto (que há muitas coisas, aparentemente, absurdas). Aí, ao invés de acreditarmos que os absurdos são possíveis por milagres, ficamos a buscar as explicações (interpretações). E aparece de tudo:

    Erros de tradução, edição, transcrição...;

    Desconsideração dos contextos histórico, geográfico, social, político... (a bíblia teria sua validade limitada no tempo e no espaço);

    Desconsideração da totalidade dos textos; uso de versículos isolados (prática realmente comum, tanto pelos que questionam, quanto pelos que defendem a validade do texto bíblico);

    Falta de capacidade hermenêutica (se até a palavra é difícil, imagine a ciência requerida para entender o texto bíblico!);

    E, é claro, o infalível "se na bíblia está escrito que branco é preto, então eu acredito que o branco foi, é e sempre será preto; afinal, é a palavra de Deus! (Da mesma forma como acredito que a jumenta falou e que a baleia não gostou do sabor de Jonas - isso até que eu encontre outra explicação!)

    ---

    Acho os debates entre cristãos e ateus interessantes como exercício mental (tem uns raciocínios que me deixam tonto!) e também como fonte de informações (não fossem os questionamentos, eu não teria percebido muitas das inconsistências que percebo hoje na bíblia).

    Claro que o que está em jogo não é a existência ou não dos deuses; os deuses reais não dependem desses debates para existirem! O que se discute (ontem, hoje e amanhã) são as teologias construídas em torno dos deuses.

    E, no caso dos cristãos, o que se discute é a validade mesma de sua teologia, construída há milhares de anos, em um contexto (histórico, geográfico, social, político... e principalmente científico) bem diferente do que temos hoje!

    É inegável que, ao longo dos séculos, as bases de sustentação dessa teologia vêm sofrendo adaptações (as mudanças de interpretações dos textos bíblicos). Mas há um limite dado pela própria teologia: a ideia de salvação!

    Enquanto muitos discutem se a jumenta falou ou não falou, poucos discutem se a ideia de salvação faz sentido. Salvar o homem de quê? Para quê?

    Imaginem:

    Deus criou o Paraíso e o Inferno como destinos eternos do homem;

    Explicou (mais ou menos)como é cada um desses lugares;

    Deu ao homem a liberdade de escolher para qual destino ir;

    Deu uma ou duas regras sobre como pegar um ou outro caminho.

    Ao final de algum tempo (indefinido), Deus fará a triagem, encaminhando os homens para seus destinos eternos, de acordo com suas escolhas!

    É só isso? Se for, é muito pouco!

    ---

    Além de achar tudo isso sem sentido (mas claro o sentido quem determina é Deus!), acho uma sacanagem Deus não ter me consultado se eu queria participar desse roteiro!

    Ou seja: Deus deu a vida ao homem. E isso é considerado uma dádiva! Deus deu o livre arbítrio. E isso é considerado um bem de valor inestimável: a liberdade escolha! Será mesmo?

    Deus não me deu a liberdade para escolher a "não-vida"!

    Será que a vida, essas dádiva maravilhosa, é melhor que a "não-vida"?

    ---

    Acho que esse roteiro da existência e destino humanos proposto pela teologia cristã está perdendo seu encanto! Os dois destinos propostos me parecem pouco atrativos. E acho que só não percebe isso quem prefere ficar discutindo se a jumenta falou ou não falou!

    Por fim, posso assegurar que a jumenta não falou! Quem me garantiu foi um cavalo branco que tenho aqui na fazenda.

    E, entre acreditar no cavalo branco (me garantiram que da mesma marca daqueles que Deus vai usar quando voltar do céu) e acreditar num burro que diz que a jumenta falou, prefiro ser burro o bastante para acreditar no cavalo (esse parece dominar melhor a hermeneutica)!

    Por falar em acreditar:

    "Creio em todos os deuses que existem; mas não acredito em nada do que os homens (e as jumentas, e as cobras...) falam sobre os deuses!"

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado pelos comentários, caros Anônimo e LMNT.

      Eu concordo que a Bíblia não precisa de justificações e validações, e pelo menos em intenção estou longe de fazer isso. Prefiro chamar o que eu faço de "esclarecimento". Porque é muito comum ver pessoas por aí tendo quaisquer ideias e interpretações sobre o texto que não condizem realmente com o que está escrito. É claro que eu não me acho na autoridade ou superioridade de determinar qual é o sentido verdadeiro de toda a Bíblia, por isso na maioria das vezes eu falo de possibilidades ou tendências teológicas gerais.

      Por exemplo, o objetivo deste artigo era responder a um texto de alguém que provavelmente era ignorante sobre a Bíblia e afirmava que nela existem "seres mitológicos". O que eu quis foi explicar que não era bem assim, em alguns casos. Mas eu não nego que existam relatos milagrosos na Bíblia nem que existem coisas que refletem a falta de conhecimento que as pessoas tinham na época. Enfim, para o cristianismo, como o LMNT falou, tais discussões são irrelevantes, pois os detalhes técnicos e históricos da Bíblia são na prática menos importantes do que o seu conteúdo espiritual. Por isso este estudo se encaixa mais numa forma de esclarecimento, aprofundamento ou curiosidade.

      É interessante o que você falou sobre livre-arbítrio, LMNT. Eu fiquei intrigado sobre a sua teoria de "escolher a não-vida":

      Suponha que eu pudesse escolher viver ou não viver. Mas se eu pudesse fazer isso, eu estaria num estado que não é nem a vida nem a não-vida, ou seja, numa espécie de terceiro estado. Mas isso é logicamente contraditório por causa do princípio do terceiro excluído: só podem existir dois estados - a vida e a não-vida. E além disso, escolher é um atributo de quem está vivo. Os não-vivos não escollhem.

      Conclui-se que para dar o poder de escolha ao ser humano, Deus deveria dar ao homem PRIMEIRO a vida. E é isso de fato que ele faz, como vemos em Deuteronômio 30.19:

      "Hoje invoco os céus e a terra como testemunhas contra vocês, de que coloquei diante de vocês a vida e a morte, a bênção e a maldição. Agora escolham a vida, para que vocês e os seus filhos vivam."

      Abraços, Paz de Cristo.

      Excluir
    2. Você não encontrou uma explicação para o fenômeno que parou o Sol nos dias de Josué? Então terá que encontrar explicação de como o fogo não queimou os três hebreus, como Jesus andou sobre as águas ou como a mulher de Ló virou uma estátua de sal. Foram milagres, Deus manipulando as leis físicas os produziu. Por exemplo, controlando elementos físicos vc pode fazer a agua incendiar. Passando um corrente elétrica pela agua em um recipiente vc decomporá a mesma em oxigênio (comburente) e hidrogênio (combustível) ao riscar um fósforo a superfície da agua incendeia num estampido. Hoje sabemos disso pq temos este conhecimento, mas alguém do passado visse vc fazendo isso como por exemplo Pedro Álvares Cabral acharia que é um milagre. Não há como explicar os milagres que Deus realizou (alias tem muita coisa que o homem não explica)sabemos simplesmente que ele fez. Agora o que eu acho interessante é alguns questionarem a Bíblia, mas os mesmos não tem bala na agulha para questionar um livro que simplesmente é o mais impresso, distribuído e lido em toda historia da humanidade. A Bíblia também é o livro que mais influencia a literatura contemporânea. Marilynne Robinson, autora do romance "Gilead" (ganhador do Prêmio Pulitzer) escreveu no NY Times os resultados dessa pesquisa. A Bíblia está consciente ou inconscientemente nas obras que lemos. Por essa razão a ateuzada brasileira embora não saiba, não são ateus genuínos. Sofrem forte influência da Bíblia e coitados nem sabem. Quando dizem "a carne é fraca" "eu lavo minhas mãos, não me responsabilizo" "ele foi o bode expiatório" "calou consentiu" "ninguém pode me julgar" estão usando citações bíblicas para construir suas ideias. Estas que citei só são algumas dentre inúmeros. Note, um livro que é odiado por um grupo e ainda assim os influencia NÃO É UM LIVRO COMUM. Qual literatura influencia os seus próprios inimigos como a Bíblia faz? Nenhum. Qual outro livro atravessou séculos sendo o mais impresso e distribuído? Nenhum. Os ateus pensam que são ateus, mas na verdade são cristeu ou crenteu. Desafio a qualquer um deles a provar que nunca formou ou forma um pensamento sem que uma vez não tenha sofrido influencia bíblica.

      Excluir
    3. A bíblia é o livro mais comprado, mas é o menos lido.
      Toda a cultura da humanidade é influenciada pela bíblia e outros livros sagrados, mas e o que tem a ver a bíblia influenciar a humanidade e os ateus estarem contidos nessa humanidade sendo influenciados também. A bíblia influenciar a humabidade nãl valida a bíblia como a palavra de Deus.

      Excluir
  10. "Os não-vivos não escolhem". Sei não! Não tenho nenhuma informação sobre esse estado...

    De qualquer forma, não seria um terceiro estado, seria o primeiro estado: a vida seria um segundo estado, já que a vida precisou ser criada para passar a existir. Afinal, antes de ser criada a vida o que poderia existir? A não-vida!

    Mas isso não é nenhuma teoria, é só enrolação...

    O que vinha me ocupando era a ideia do valor da vida. Explico: sempre ouço dizer que Deus nos deu a vida; que Jesus morreu para que tivéssemos a vida...

    Subjacente a essas ideias, há a concepção de que a vida seja uma coisa boa, uma dádiva! Tão boa que deveria, inclusive, ser preservada eternamente!

    Mas, do ponto de vista estritamente humano, a vida não faz nenhum sentido: se a humanidade não existisse, a vida nos seria absolutamente irrelevante!

    Claro, isso pressupondo que o homem não passou pelo estado de não-vida consciente e que, portanto, não escolheu nascer.

    Logo, a vida não pode ser considerada uma dádiva para os homens. Pode ser uma dádiva (de Deus) para ele próprio, para o Universo, para o que quer que seja; mas não para o homem!

    Repetindo o argumento: se a vida humana não existisse, ela não faria e menor falta para os homens!

    Então vem a pergunta: se a vida humana não faria a menor falta para os homens, por que estes devem se sentir responsabilizados por salvá-la?

    Eu não assumo essa responsabilidade. Não pedi a vida e não sei para o que ela serve. Se minha vida serve a algum propósito, esse propósito é o de outrem. E cabe a este, cuidar de minha vida para que ela sirva àquele propósito.

    Por exemplo, se Deus criou o homem para dividi-los em dois grupos, um que iria para o paraíso e outro que iria para o inferno, isso deve ter algum propósito.

    Mas esse é um propósito de Deus. Deus é que que precisa do homem para cumprir esse propósito, tanto que os criou! O homem não teria propósitos se não tivesse sido criado, portanto, não precisaria de Deus para cumpri-los.

    Uso o mesmo raciocínio do pecado original: naquele caso, foi dada uma escolha ao homem. Ele fez a escolha e arcou com as conseqüências. Ele foi o responsável porque recebeu informações, tinha um propósito e fez a escolha.

    Mas, no caso da vida, o homem não recebeu informações previamente, não tinha um propósito e não pôde escolher a não-vida. Portanto, entendo que ele não pode ser responsável por cuidar de sua vida.

    Acho que sem conhecer o propósito de sua existência, o homem não deve usar o livre arbítrio para decidir o rumo finalístico que deve dar à sua vida. Lembremos que o propósito de ter gente no inferno, no paraíso, ou nos dois, não é um propósito do homem, mas de Deus.

    ResponderExcluir
  11. " (...) do ponto de vista estritamente humano, a vida não faz nenhum sentido: se a humanidade não existisse, a vida nos seria absolutamente irrelevante"

    Eu concordo. Mas como cristão, eu não sou humanista e não analiso as coisas do ponto de vista estritamente humano. Vou desenvolver mais este pensamento a seguir.


    " se a vida humana não faria a menor falta para os homens, por que estes devem se sentir responsabilizados por salvá-la? Eu não assumo essa responsabilidade."

    Os homens não são responsáveis por salvar as suas próprias vidas. A salvação é um ato que só é possível através de Deus, "porque todos pecaram e destituídos estão da glória de Deus, sendo justificados gratuitamente pela sua graça, pela redenção que há em Cristo Jesus". (Romanos 3:23-25)

    O cristianismo não é humanista porque é teocentrista, ou seja, reconhece que Deus é Soberano neste Universo, e que "dele e por ele, e para ele, são todas as coisas; glória, pois, a ele eternamente". (Romanos 11.36) Assim sendo, Deus possui o direito de colocar a responsabilidade que Ele quiser em quem Ele quiser, e ninguém possui o direito de revogar isso. E isso não faz de Deus arbitrário ou um tirano porque Deus sempre age de acordo com a Sua natureza, que é boa, perfeita e santa. Assim, nenhuma responsabilidade dada por Deus deve ser algo absolutamente ruim.


    "Não pedi a vida e não sei para o que ela serve. Se minha vida serve a algum propósito, esse propósito é o de outrem. E cabe a este, cuidar de minha vida para que ela sirva àquele propósito."

    Você não pediu a sua vida, claro, ela foi um presente gratuito de Deus. Se você não sabe pra que ela serve, segundo a Bíblia a culpa é sua, "pois desde a criação do mundo os atributos invisíveis de Deus, seu eterno poder e sua natureza divina, têm sido vistos claramente, sendo compreendidos por meio das coisas criadas, de forma que tais homens são indesculpáveis" (Romanos 1:20-21)

    Sua vida serve a um propósito que não é seu, também concordo. Esse propósito é glorificar a Deus, conforme eu já disse anteriormente. Mas isso não quer dizer que este propósito também não te torne feliz e satisfeito (leia http://www.respostasaoateismo.com/2012/03/reflexao-sobre-felicidade-humana.html).

    Também é verdade que cabe a Deus cuidar para que o propósito dEle fosse cumprido, e de fato Ele fez isso. O sacrifício de Jesus por nós foi o ato final de reconciliação do homem com Deus, e graças a isso todos aqueles que recebem a Jesus pela fé alcançam a esse propósito, sendo que antes isso não era possível.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Aliás, deixe-me atentar pra outra falácia no seu argumento, que só percebi agora:

      você diz algo como "Deus é injusto porque não me deixou escolher a vida ou não-vida, eu nasço e a partir daqui escolho meu destino no paraíso ou inferno".

      Suponha que Deus permitisse que o homem passasse por um estado de "não-vida consciente" (sic, seja lá o que isso for) antes de viver e que nesse estado pudesse escolher entre a vida e a não-vida. Mas então nesse estado o homem poderia dizer do mesmo jeito: "Deus é injusto porque não me deixou escolher entre o estado de não-vida consciente e o estado de não-vida insconsciente; ou qualquer outro estado que o sujeito resolva inventar. Isso facilmente cai numa sucessão infinita de reclamações, o que é um absurdo.

      Por isso é necessário que haja um estado inicial no qual o homem seja criado originalmente e que não possa escolher antes dele. Pois bem. Este estado é o nosso estado atual! É aqui que podemos escolher entre a "vida" e a "não-vida", nesse breve prelúdio da nossa existência chamado de vida física.

      Abraços, Paz de Cristo.

      Excluir
    2. Não estou questionando se é possível ser feliz ou infeliz por fazer parte do propósito divino! Nem duvido do poder supremo e da natureza boa de Deus! Nem, tão pouco, nego ser minha a culpa de não saber disso ou daquilo...

      Tentando ajustar o foco no argumento, voltemos às questões que eu coloquei. Foram apenas duas:

      i) a questão (que não é nova) do propósito divino para a criação do homem;

      ii) a questão do comprometimento que homem deve ter com aquele propósito.

      Pelo que entendi, tuas posições são:

      i') "Esse propósito é glorificar a Deus".

      ii') "Os homens não são responsáveis por salvar as suas próprias vidas".

      Entendo por "Os homens não são responsáveis por salvar as suas próprias vidas", que que a salvação não depende de nenhuma ação, atitude ou crença do homem. Nada que o homem faça ou deixe de fazer terá efeito sobre a salvação ou não de sua própria vida! Afinal, repetindo: "Os homens não são responsáveis(...)"

      Acho que você não quis dar a entender o que eu entendi quando disse que "Os homens não são responsáveis por salvar as suas próprias vidas". Mas... no contexto em foi usado é o que eu entendi.

      Teus argumentos (i' e ii'), reforçam minha colocação de que o homem não tem razões para se comprometer com o propósito de sua criação; e, por conseguinte, nem com o seu criador.

      Vejamos:

      a) Deus deu a vida ao homem para que este o glorificasse (imagino que pela eternidade!).

      b) O homem pecou, mas não é o responsável por salvar sua própria vida!

      c) Se a vida do homem não for salva, isto é, se o homem não tiver uma vida eterna para glorificar a Deus, ele (o homem), não poderá ser responsabilizado por isso, pois: "Os homens não são responsáveis(...)".

      d) Em sendo assim, por que o homem deveria se comprometer com o propósito de sua criação? Ou, de forma mais direta, por que o homem deveria glorificar a Deus?

      Bom, é isso aí.

      Mas não tome isso como uma posição fechada de minha parte (daquelas que a gente tenha muito interesse em defender). É apenas uma colocação para o debate. Muito embora eu não seja ateu, me vejo no direito de colocar perguntas num blog que, a julgar pelo nome, se propõe a responder perguntas desse tipo.

      Agora, ao contrário de ti, tenho pontos de vistas essencialmente "humanistas". E por uma razão muito simples: eu sou humano!

      Talvez, permita-me, você quisesse expressar a ideia de antropocentrismo (em oposição a teocentrismo) e aí usou o termo “humanista”. Mas isso não importa para o meu argumento: não questiono a posição de Deus, se é de soberania, se está no centro... Isso é irrelevante.

      O que interessa, para o argumento, é a relação e não a posição. E, mais especificamente, qual comprometimento que o homem teria, nessa relação, com o propósito do seu criador. Se o homem tem alguma responsabilidade com o propósito para o qual foi criado. É só isso!

      Agora, um pequeno adendo sobre o propósito da criação do homem: "Esse propósito é glorificar a Deus". Você tem a referência bíblica de que o propósito tenha sido esse? Procurei nos textos cronologicamente próximos ao evento da criação, mas parece que Adão não teve essa dúvida; ou, se teve e Deus respondeu, Moisés não registrou...

      Não que eu duvide ou ache que o homem precise de qualquer propósito além desse. Imagine, ter sido criado unicamente para glorificar seu criador! Já está de muito bom tamanho.

      O que é estranho é Deus precisar ser glorificado por... uma criatura sua!

      Do meu ponto de vista (lembrando que eu sou humano), acreditar que Deus tenha necessidade de ser glorificado pelo homem torna esse Deus... menor!

      Mas isso já é introdução para outro papo... Por favor, desconsidere.

      Mas me dê as referências bíblicas sobre o propósito da criação do homem. Se possível no Velho Testamento, posto que mais próximas do episódio da criação. Melhor ainda se forem as palavras do próprio Deus.

      A propósito, considero a opinião de Paulo sobre o assunto, transmitida aos Romanos (1:20-21) apenas... uma opinião!

      Excluir
    3. Quanto ao completo de tua resposta

      Cara, não estou questionando a justiça ou injustiça de Deus!

      Isso é irrelevante nessa fase da argumentação. E qual é a fase da argumentação? A fase de entender os termos da relação estabelecida entre Deus e o homem; relação decorrente da criação deste por aquele.

      Ainda não estou adjetivando, nem as motivações, nem as partes envolvidas.

      A propósito, um parênteses: quando usamos esta forma de comunicação escrita, não faz sentido usar o “Você diz algo como” (e aí escrever algo que eu não escrevi). Basta repetir o que eu escrevi; e se for necessário, escrever o que você entendeu sobre o que eu escrevi. Aliás, essa prática faz sentido quando há a intenção de distorcer o que foi escrito. Mas, com certeza, você não precisa usar desses artifícios.

      Agora, voltando à vaca fria, já havia dito que essa ideia de “não-vida” não é nenhuma teoria. Por enquanto é apenas um balão de ensaio que solto aqui e acolá, para colher reações. Às vezes me surpreendo com a velocidade com que algumas pessoas, mesmo sem nunca ter pensado nisso, oferecem respostas absolutas sobre o que, para mim, é só uma ideia, ainda bastante vaga...

      Por enquanto não é minha intenção me alongar nessa ideia, ela retornará mais à frente. O que eu gostaria de reter agora, é a parte da resposta na qual você diz que ‘É aqui que podemos escolher entre a "vida" e a "não-vida"’.

      Bom, minhas dúvidas são:

      a)É apenas “podemos escolher ” ou “teremos que escolher”?

      b)O fato de escolhermos (seja porque podermos, seja porque teremos), não nos torna responsáveis pela escolha?

      Excluir
    4. Uau, sua resposta foi grande. E receio que estamos nos desviando demais do propósito original do artigo. Gostaria de pedir que, para evitar desorganização nos comentários, que você me contactasse por email para podermos continuar nossa conversa por lá.

      respostasaoateismo@gmail.com

      Abraços, Paz de Cristo.

      Excluir
  12. É! Mas, apesar do tamanho, a resposta se resume a três perguntas.

    No primeiro bloco:

    "d)(...) por que o homem deveria se comprometer com o propósito de sua criação? Ou, de forma mais direta, por que o homem deveria glorificar a Deus?"

    E, do segundo bloco:

    'a) É apenas “podemos escolher ” ou “teremos que escolher”?'

    'b) O fato de escolhermos (seja porque podemos, seja porque teremos), não nos torna responsáveis pela escolha?'

    Mas, claro, devo seguir as regras de organização dos artigos. Então proponho o seguinte:

    Há um outro artigo, aqui no blog, "Por que Deus não nos fez direto no céu?" que, me parece, comporta sem problemas a temática colocada pelas questões acima.

    Coloco essas questões lá e de lá continuamos, caso concorde.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu já estou com a respostas prontas no meu e-mail, só falta você me enviar.

      Excluir
    2. Olá.

      Vou tentar me concentrar nos pontos críticos para não me estender muito também... dessa vez vou citar suas frases em vez de tentar escrever o que entendi delas, seguindo sua recomendação:

      """"""Entendo por "Os homens não são responsáveis por salvar as suas próprias vidas", que que a salvação não depende de nenhuma ação, atitude ou crença do homem. Nada que o homem faça ou deixe de fazer terá efeito sobre a salvação ou não de sua própria vida! Afinal, repetindo: "Os homens não são responsáveis(...)" """""""

      Antes de a gente se estender nesse assunto, é bom você saber que (1) existe mais de uma visão sobre o papel do homem na salvação dentro do cristianismo e (2) eu não possuo uma visão fechada sobre esse assunto, e nem vejo a necessidade de ter (embora tenha vontade), já que acho que isto é algo além da compreensão humana.

      A minha frase "Os homens não são responsáveis por salvar as suas próprias vidas" foi uma resposta à sua: " se a vida humana não faria a menor falta para os homens, por que estes devem se sentir responsabilizados por salvá-la? Eu não assumo essa responsabilidade.", ou seja, eu quis dizer que aos homens não é dada a capacidade (e a responsabilidade) de se salvarem. Isso só é possível através de Jesus. Mas disso não implica que o homem não é responsabilizado pela sua condenação. Todo homem que não entrega sua vida a Deus, segundo a Bíblia, já está condenado, porque vive em pecado desde o seu nascimento. Sigamos em frente:

      """""""Teus argumentos (i' e ii'), reforçam minha colocação de que o homem não tem razões para se comprometer com o propósito de sua criação; e, por conseguinte, nem com o seu criador.

      Vejamos:

      a) Deus deu a vida ao homem para que este o glorificasse (imagino que pela eternidade!).

      b) O homem pecou, mas não é o responsável por salvar sua própria vida!

      c) Se a vida do homem não for salva, isto é, se o homem não tiver uma vida eterna para glorificar a Deus, ele (o homem), não poderá ser responsabilizado por isso, pois: "Os homens não são responsáveis(...)".

      d) Em sendo assim, por que o homem deveria se comprometer com o propósito de sua criação? Ou, de forma mais direta, por que o homem deveria glorificar a Deus?

      Bom, é isso aí.""""""""

      O problema do seu argumento está exatamente no ponto (c), e eu já respondi acima por quê. Assim podemos passar para o ponto (d):

      Por que o homem deveria se comprometer com o propósito de sua criação? Porque este comprometimento leva ao maior bem possível para o homem, a saber, uma vida plena, feliz e eterna, e o não-comprometimento consequentemente leva ao maior mal possível, que é uma vida vazia, infeliz e eterna (ou se preferir, uma "não-vida").

      Por que o homem deveria glorificar a Deus? Vou responder essa pergunta em um parágrafo oportuno mais à frente.

      (continua)

      Excluir
    3. (continuação) O outro grande texto sobre o propósito do homem, não tem muito jeito, é de Paulo. Mas não tenha preconceitos, Paulo foi um estudioso da Bíblia durante toda a sua vida, e tinha autoridade pra dizer o que dizia: “Bendito o Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo, que nos tem abençoado com toda sorte de bênção espiritual nas regiões celestiais em Cristo, assim como nos escolheu nele antes da fundação do mundo, para sermos santos e irrepreensíveis perante ele; e em amor,nos predestinou para ele, para a adoção de filhos, por meio de Jesus Cristo, segundo o beneplácito de sua vontade, para louvor da glória de sua graça, que ele nos concedeu gratuitamente no Amado, no qual temos a redenção, pelo seu sangue, a remissão dos pecados, segundo a riqueza da sua graça” Ef 1:3-7 - O propósito de Deus é que sejamos semelhantes a Ele, santos e irrepreensíveis, o que está em concordância com o texto de Gênesis, mas é ainda mais completo porque agora era possível ver que este propósito foi alcançado através de Jesus, que deu a possibilidade de o homem ser considerado justo aos olhos de Deus mesmo tendo pecado, e ao mesmo tempo revelando a expressão máxima e última do infinito amor de Deus.

      """"""""O que é estranho é Deus precisar ser glorificado por... uma criatura sua!

      Do meu ponto de vista (lembrando que eu sou humano), acreditar que Deus tenha necessidade de ser glorificado pelo homem torna esse Deus... menor!

      Mas isso já é introdução para outro papo... Por favor, desconsidere.""""""""""

      Se é outro papo, eu posso desconsiderar. Mas essa seria a oportunidade perfeita de responder a pergunta "Por que o homem deveria glorificar a Deus?"! Na verdade eu já falei um pouquinho sobre isso, e tenho uma resposta mais completa em um texto do blog que você pode ler:

      http://www.respostasaoateismo.com/2011/03/busca-de-deus-para-que-o-adoremos-e-uma.html

      """""""""Por enquanto não é minha intenção me alongar nessa ideia, ela retornará mais à frente. O que eu gostaria de reter agora, é a parte da resposta na qual você diz que ‘É aqui que podemos escolher entre a "vida" e a "não-vida"’.

      Bom, minhas dúvidas são:

      a)É apenas “podemos escolher ” ou “teremos que escolher”? """""""""

      A "escolha" é inevitável. Mesmo se nunca nos pronunciarmos formalmente em toda a nossa vida sobre o assunto, teremos feito uma escolha. Esta escolha se revela nas nossas atitudes e no nosso modo de viver. E pior: teologicamente falando, devido à queda do homem pelo pecado, nós já nascemos com a balança pendendo para o lado da não-vida... mas o que supera esse pior é que Deus nos dá, de graça, o passaporte para a vida, mesmo não sendo capazes de fazer qualquer ato que seja para merecermos.

      """"""""b)O fato de escolhermos (seja porque podermos, seja porque teremos), não nos torna responsáveis pela escolha? """""""""

      Já expliquei lá em cima o mal-entendido em relação à palavra "responsáveis".

      Por último, gostaria de saber se você se importa de eu publicar nossa conversa na forma de um debate, no blog.

      Abraços, Paz de Cristo.

      Excluir
  13. Papel do homem na salvação - Fiquei assustado com a possibilidade de o cristianismo não ter uma única e clara visão sobre o papel do homem na salvação. Mais assustado ainda com a possibilidade que isto esteja além da compreensão humana.

    Considerando, corrija-me se estiver errado, que a salvação é o fundamento da doutrina cristã e que o cristianismo não consegue ter clareza sobre o que o homem deve fazer para obter a salvação, para que serve o cristianismo? O que o cristianismo está pregando para os homens?


    Responsabilidade do homem - O mal-entendido continua não entendido, posto que, na minha opinião, mal explicado. "eu quis dizer que aos homens não é dada a capacidade (e a responsabilidade) de se salvarem. (...) Mas disso não implica que o homem não é responsabilizado pela sua condenação" Como assim: o homem não é responsável, mas será responsabilizado?

    Sem que você resolva/explique essa incoerência não vejo como continuar. Por isso recoloco o

    'c) Se a vida do homem não for salva, isto é, se o homem não tiver uma vida eterna para glorificar a Deus, ele (o homem), não poderá ser responsabilizado por isso, pois: "Os homens não são responsáveis(...)".'

    Aguardo, pois, que você analise a incoerência apontada. Depois continuamos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O cristianismo tem clareza absoluta sobre o que o homem deve fazer, NA PRÁTICA, para obter a salvação. Isso está fora questão. O que não tem consenso é como isso se dá no mundo espiritual, é uma questão mais teológica, abstrata, profunda. A salvação não depende de saber dessas coisas profundas, apenas de crer em Jesus Cristo, se arrepender de seus pecados, guardar os mandamentos de Deus, etc.

      Quanto à incoerência, não vejo como explicar de uma forma mais clara do que eu já tinha feito, mas vou tentar de novo:

      eu apenas usei a palavra "responsabilidade" porque você usou primeiro, eu usei para responder, mas talvez ela não seja a mais adequada porque ela pode ter mais de um sentido nesse contexto. Você tinha dito:

      "se a vida humana não faria a menor falta para os homens, por que estes devem se sentir responsabilizados por salvá-la? Eu não assumo essa responsabilidade."

      E eu interpretei essa frase como se você quisesse dizer que o homem é responsável por salvar sua própria vida, no sentido que a ele é dado o papel de se salvar, e cabe a ele fazer ou não. E por isso eu respondi:

      "Os homens não são responsáveis por salvar as suas próprias vidas"

      no sentido de que ao homem não é dada capacidade ou o papel exclusivo de se salvar. A salvação não é um ato exclusivo do homem, mas principalmente de Deus. Não é o homem que se salva, mas Deus quem salva o homem.

      Antes do pecado original o homem tinha completa autonomia em sua vontade, poderia escolher igualmente seguir a Deus ou rejeitá-lo; mas desde que pecou, sua vontade foi corrompida e por isso tendemos ao pecado e a rejeitar a Deus mais do que a buscá-lo. Nos já nos condenamos desde que nascemos e por isso precisamos ser salvos (e não nos salvarmos).

      Mas se não somos salvos, continuamos no pecado e somos condenados pelos atos que cometemos em vida. Não é só porque tendemos a fazer o errado que isso se torna menos errado diante de Deus.

      Na verdade, eu compreendo o seu não entendimento. Como eu já tinha dito, essa questão de como ocorre a salvação, o papel teórico do homem e de Deus nesse processo é uma questão não resolvida da teologia cristã. Mas ainda sim é um assunto fascinante.

      Abraços, Paz de Cristo.

      Excluir
  14. Quando pergunto qual é o papel do homem na salvação estou me referindo ao que o homem deve fazer, NA PRÁTICA, para obter a salvação.

    Então, recolocando: Qual é o papel, na prática, do homem na salvação?

    A incoerência mudou de lugar: "A salvação não é um ato exclusivo do homem, mas principalmente de Deus. Não é o homem que se salva, mas Deus quem salva o homem."

    É Deus quem salva o homem ou é... PRINCIPALMENTE Deus quem salva o homem?

    Colocando em termos de responsabilidade: se o homem for salvo ou não, de quem terá sido a responsabilidade? De Deus, do homem, dos dois?

    Sendo a salvação um ato, principalmente de Deus, qual é o papel de Deus neste ato?

    Pelo que entendi até agora, aquele item "c" ficaria assim:

    'c) Se a vida do homem não for salva, isto é, se o homem não tiver uma vida eterna para glorificar a Deus, ele (o homem), não poderá ser o responsável EXCLUSIVO por isso, pois: "ao homem não é dada capacidade ou o papel EXCLUSIVO de se salvar".'

    Podemos "fechar" dessa foram para podermos continuar, ou você tem ressalvas?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Caro LMNT,
      peço mil desculpas, porque agora que eu vi que quando eu colei a resposta ao seu comentário, eu não transferi a resposta toda, faltou a primeira parte da explicação sobre o propósito do homem, no qual eu cito versículos de Gênesis. Graças a Deus eu tinha deixado isso salvo nos rascunhos do meu e-mail, por isso agora deixo aqui a resposta completa:

      As palavras ditas no Gênesis sobre isso são bem conhecidas: “E disse Deus: façamos o homem à nossa imagem, conforme a nossa semelhança; domine ele sobe os peixes do mar, sobre as aves do céu, sobre os animais domésticos, e sobre toda a terra, e sobre todo réptil que se arrasta sobre a terra. Criou, pois, Deus o homem à sua imagem; à imagem de Deus o criou; macho e fêmea os criou.” (Gênesis 1.26,27). Notamos que Deus explicitou dois propósitos para o ser humano aqui nesse texto: (1) Ser à imagem e semelhança dEle (ou seja, em santidade, bondade, etc.) e (2) Ser dominador e guardador dos outros seres vivos da Terra. Agora, existem mais dois propósitos implícitos no texto: (3) Após Deus ter criado uma infinidade de coisas, ele finalmente criou um ser capaz de perceber cognitivamente as coisas criadas. Este ser seria capaz de "usufruir" da criação, de experimentar o prazer, a alegria, a felicidade. O homem foi criado (também) para a felicidade. (4) Ainda baseando-se na capacidade cognitiva do homem, entendemos que essa 'felicidade' é alcançada à medida que o homem conhece mais sobre Deus e os seus mistérios. O texto de Gênesis dá a entender que Deus visitava o jardim do Éden diariamente para conversar com Adão e ensinar coisas a ele (Gn 3.8).

      O outro grande texto sobre o propósito do homem, não tem muito jeito, é de Paulo. Mas não tenha preconceitos, Paulo foi um estudioso da Bíblia durante toda a sua vida, e tinha autoridade pra dizer o que dizia: “Bendito o Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo, que nos tem abençoado com toda sorte de bênção espiritual nas regiões celestiais em Cristo, assim como nos escolheu nele antes da fundação do mundo, para sermos santos e irrepreensíveis perante ele; e em amor,nos predestinou para ele, para a adoção de filhos, por meio de Jesus Cristo, segundo o beneplácito de sua vontade, para louvor da glória de sua graça, que ele nos concedeu gratuitamente no Amado, no qual temos a redenção, pelo seu sangue, a remissão dos pecados, segundo a riqueza da sua graça” Ef 1:3-7 - O propósito de Deus é que sejamos semelhantes a Ele, santos e irrepreensíveis, o que está em concordância com o texto de Gênesis, mas é ainda mais completo porque agora era possível ver que este propósito foi alcançado através de Jesus, que deu a possibilidade de o homem ser considerado justo aos olhos de Deus mesmo tendo pecado, e ao mesmo tempo revelando a expressão máxima e última do infinito amor de Deus.

      Abraços, Paz de Cristo.

      Excluir
  15. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Legal! Vamos dar uma olhada no que você acrescenta: (1) [Deus criou o homem à sua semelhança...] parece-me mais uma condição que uma finalidade;(2) Aqui, sim, temos uma finalidade. (3) e (4) são, parece-me, suposições tuas.

      Então, por enquanto, temos uma finalidade para a existência do homem: (2).

      Mas o que interessa é: (i) você, David, acredita que Deus criou o homem com alguma finalidade? (ii) Deus declara qual é essa finalidade? (iii) Para a salvação, faz diferença saber por que Deus criou o homem?

      Mas... voltando a questão da salvação, e pelo que que já debatemos até aqui:

      'c) Se a vida do homem não for salva, isto é, se o homem não tiver uma vida eterna para glorificar a Deus, ele (o homem), não poderá ser o responsável EXCLUSIVO por isso, pois: "ao homem não é dada capacidade ou o papel EXCLUSIVO de se salvar".'

      Podemos "fechar" dessa forma para podermos continuar, ou você tem ressalvas?

      P.S. David, minha intensão é apenas entender, um pouco, a crença cristã. Não tenho a menor intensão de desmoralizar ou desacreditar o Cristianismo, nem desrespeitar os cristãos (fui criado numa família cristã e separo o respeito às pessoas, do respeito (ou não) à crença das pessoas). Se puder continuar com o debate, agradeço.

      Excluir
    2. Comentários:
      (1) É sim uma condição, mas que foi parcialmente perdida por causa do pecado e por isso se torna uma finalidade (o texto de Efésios 1 confirma isso).
      (3) e (4) são mais do que suposições, são deduções.

      Respostas:
      (i) e (ii) Isto é irrelevante, eu não quero levar para o lado pessoal.
      (iii) Para a salvação, faz diferença saber que precisamos ser salvos e porque precisamos ser salvos. Isso envolve indiretamente o propósito do homem.

      Ainda acho essa sugestão do item (c) um pouco ambígua (desculpe a minha chatice). Acho que eu colocaria (e com isso eu acrescento mais algumas ideias que eu ainda não falei):

      c) Se a vida do homem não for salva, isto é, se o homem não ADQUIRIR A vida eterna para glorificar a Deus, ele (o homem), DEVERÁ ser o responsável por isso, pois ele pecou contra Deus voluntariamente durante toda a sua vida.

      Com isso você poderia perguntar: "sim, mas se o homem não possuia capacidade própria para agir diferente, porque deveria ser responsabilizado por isso?". Bem, a questão é que para que alguém seja responsabilizado por algo, não é necessário que haja a capacidade de escolher o contrário, já que esse algo continua sendo errado independentemente da pessoa. O fato é que tendo pecado, a raça humana entrou num beco sem saída, num caminho sem volta, no qual só Deus pôde tirar-nos de lá. Mas antes disso havia a plena capacidade de escolha.

      Excluir
  16. 'c) Se a vida do homem não for salva, isto é, se o homem não ADQUIRIR A vida eterna para glorificar a Deus, ele (o homem), DEVERÁ ser o responsável por isso, pois ele pecou contra Deus voluntariamente durante toda a sua vida.'

    0K, então o homem DEVERÁ ser o responsável pela sua salvação. Qual será, então, o papel de Deus na salvação?

    Acho que a chave para eliminar essa ambiguidade está no conceito de pecado. Como você acrescentou essa ideia na nossa equação então vamos ao pecado.

    Como você descreveria a condição do homem antes e depois do pecado?

    Tente responder a isso, levando em conta as palavras que Deus disse a Adão, no episódio da queda. Por enquanto, tente não recorrer às opiniões de Paulo. Tente interpretar, você mesmo, as palavras do próprio Deus; confie, primeiro, nas palavras de Deus e descreva como você vê o homem antes e depois da queda.

    Depois voltamos à questão da salvação.

    ResponderExcluir
  17. Explique para mim a arca de noé de um modo convincente, sendo que ela abriga um par de todas as raças de animais terrestres. Seria impossível que coubessem todos eles, mesmo naquela época onde poderiam existir muito menos animais. E ainda sim, como todos os animais chegaram até la? Teletransporte? E não diga que foi Deus que fez eles atravessarem o oceano a pé, por favor. Não sou ateu, só não acredito na Bíblia, que possui tantas traduções em cima de traduções, sentidos ambíguos e que vai ser eternamente impossível de conseguir uma tradução perfeita, mesmo porque ela foi escrita por varias pessoas. E os livros que são escolhidos pra ser parte da bíblia e os que não são dependem simplesmente da escolha do homem, além dos que até hoje não foram mostrados ao público. A bíblia é incompleta, inconsistente e não pode ser provada. Você nunca poderá afirmar que ela vale como documento histórico até o dia que Deus descer a terra (se é que isso vai acontecer algum dia, isso se Ele existir). Diga que é sua fé e já basta pra mim, mas dizer que ela é provável ou que ela faz sentido é impossível nas condições em que vivemos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A bíblia pode até parecer ser inconsistente em partes PORQUE somos ignorantes e preguiçosos pra pensar, mas podemos de fato observar que ela é objeto de estudo de muitos cientistas. Nesta história da arca podemos observar as primeiras ignorâncias das pessoas:
      1.Animais;
      2. Pessoas;
      3. Dilúvio.
      Pra começar Deus é o ser mais incontestável, porque ele não é ignorante e estupido a ponto de por em uma embarcação animais ADULTOS, e nesta embarcação tinha Noé, sua esposa, seus três filhos e suas respectivas mulheres, e quem garante que Noé sendo quem era naquela época (Rico, é porque de onde ele iria conseguir retirar tanto material para a arca? Empréstimo no banco? Até por isso mesmo, na terra em que vivia alguém já dominava) não tinha EMPREGADOS? Na bíblia não fala assim como ela mesma não irá ter respostas pra tudo, pois certamente não entenderíamos. Ah e o diluvio, alguns já disseram e eu volto a repetir, gente se até na época de Colombo o povo ainda achava que a terra era achatada e não redonda por que eles deixariam de crer em seus próprios olhos? Assim houve diluvio naquela parte da terra, e certamente mais tarde ou anteriormente em outros lugares, POR ISSO QUE PRA ELES SÓ EXISTIA UM LADO DA TERRA , essa foi a época que mais choveu em toda a terra, por isso se chama diluvio. Sobre os animais sabemos que há cruzamentos com outras espécies (aula de biologia alguém deve lembrar do experimento de MENDEL, O CARA DAS ERVILHAS). Para muita gente ignorante é a mesma coisa de eu chegar em Noé naquela época e mostrar um tablet e tentar explicar...

      Excluir
  18. "só não acredito na Bíblia, que possui tantas traduções em cima de traduções, sentidos ambíguos e que vai ser eternamente impossível de conseguir uma tradução perfeita, mesmo porque ela foi escrita por varias pessoas. E os livros que são escolhidos pra ser parte da bíblia e os que não são dependem simplesmente da escolha do homem, além dos que até hoje não foram mostrados ao público. A bíblia é incompleta, inconsistente e não pode ser provada."

    Já pensas-te em quantos milhões de livros foram escritos e depois de escritos ainda foram editados, revisados, corrigidos, traduzidos, etc, por várias pessoas e no entanto ninguém questionou se as palavras que estão nos livros são mesmo dos autores. Mesmo não tendo acesso aos escritos originais do autor (por ele já não ter os escritos originais ou terem sido eliminados, etc), ou acesso a ele, as pessoas acreditam e nem questionam se o nome do autor escrito na capa corresponde ou não ao autor que originalmente pensou e escreveu.

    Mas infelizmente isso não acontece com a Bíblia. E normalmente põe logo de parte o que normalmente fazem com os livros que compram esse falso "cepticismo" que têm na Bíblia.

    No entanto, digo-te que a Bíblia está completa, é consistente e muito do que está lá escrito têm sido mostrado pela história (e arqueologia) e pela ciência que é verdade. Não lhe falta nada, nem tem nada a mais.
    Os livros escritos, foram escolhidos com base em critérios, que tinham de corresponder exactamente com o que tinham recebido por parte de Deus. Para o Novo Testamento, por exemplo, os critérios era baseados nos testemunhos passados pelas testemunhas oculares, sendo principalmente os apóstolos, tinham de corresponder ao ensino doutrinário que os apóstolos tinham recebido da parte do Senhor, e tinham de ter sido escritos no período de vida dos apóstolos, ou daqueles que conviveram com os apóstolos e que receberam tudo deles, etc.
    Com os livros todos que tinham na altura, e quando comparados todos os livros, chegou-se à canonização dos que eram inspirados ou não. E isto, não demorou uns dias ou semanas, demorou uns bons anos.
    E demorou bastante tempo por haver muita coisa falsa e que punha em causa várias coisas recebidas pelos apóstolos ou profetas da parte de Deus.

    Isso para não falar naqueles que escreveram, nos que copiaram e traduziram a Bíblia, que também era rigorosos nesta matéria. Só para teres noção, quando eram feitas cópias, se houvesse algo erro por parte daquele que lia o que foi copiado, essa cópia era eliminada e copiada de novo. Claro que isto não quer dizer que não tenha havido falhas por parte dos que copiaram e do que foi verificado. Mas as falhas que houve, não puseram em causa a parte essencial e doutrinal.

    Hoje temos razões para crer que o que está na Bíblia corresponde ao original, se não, temos de começar a questionar também todos os outros livros que temos em casa, se somos realmente cépticos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Amém, obrigado pela contribuição, caro Dario.

      Abraços, Paz de Cristo.

      Excluir
  19. Boa noite....

    Eu fico sinceramente impressionado com a maneira que vocês defendem a bíblia apesar de tudo o que podemos ver de errado ... A parte do unicórnio ou " único chifre " sendo traduzido por um animal que É DIFERENTE POR TER DOIS CHIFRES AO INVÉS DE UM demonstra toda a fragilidade das traduções ao longo dos séculos, não é só nessa parte que existem problemas de tradução e interpretação, SE É POSSÍVEL FAZER UMA TRADUÇÃO TOTALMENTE DIFERENTE DO ORIGINAL PORQUE ESSE É INCÔMODO, COMO ALGUÉM PODE CONFIAR QUE COISAS IMPORTANTES NÃO FORAM IGUALMENTE EDITADAS ???? Isso sem falar que várias passagens bíblicas tem problemas com números,isso nos levar a indagar: existem problemas também nas partes de doutrinas chaves ? Além disso, temos várias igrejas evangélicas com doutrinas opostas, com batismo no espirito e sem, umas com predestinação e outras com eleição, umas cobrando dízimo e outras não, umas guardando sábado e outras não - Tudo isso para igrejas que usam a mesma bíblia, vamos lembrar que ampliando nossa pesquisa contemplando todos os cultos cristãos temos simplesmente três bíblias diferentes ! - a bíblia católica, a evangélica e a dos testemunhas de jeová, o colega Dario fez uma bela e eloquente defesa da bíblia ali mas não contemplou vários fatos relevantes, por exemplo houveram várias listas diferentes dos livros considerados inspirados, e se de repente a lista correta ficou perdida ? Vale lembrar que existem várias citações de livros considerados apócrifos na bíblia, isso porque quem fez a citação considerava o livro citado como inspirado, por exemplo, o diabo brigando pelo corpo de moisés, a profecia " Ele será chamado nazareno " que não consta em nenhum livro do AT e assim vai, tem várias.... Quanto ao seu argumento Dario de dizer que devemos questionar tudo o que lemos da mesma maneira que fazemos com a bíblia eu te digo que ninguém faz isso porque as demais coisas que lemos não nos chamam de pecadores, não dizem que vamos para o inferno simplesmente por não acreditar nelas e nem que devemos dar 10 % do nosso salário ou seja são muito menos drásticas do que a bíblia e por isso não é preciso tanta comprovação, porém a partir do momento que alguma coisa seja muito drástica aí sim deveríamos buscar comprovações.
    "Os livros escritos, foram escolhidos com base em critérios" um dos critérios era saber quem escreveu o livro, mas vários livros possuem autoria duvidosa, o evangelho de Mateus é creditado a ele simplesmente porque menciona muito riquezas e ele era coletor de impostos, eu pergunto a você cristão, isso lá é critério que se preze ??? O autor de Hebreus ninguém sabe ao certo quem é, então no final das contas entrou no cânon porque gostavam do livro e não por atender a critérios, quem escreveu Gênesis, foi Moisés ? e ele consegui escrever fatos ocorridos depois da sua morte ? esse era bom mesmo. Eu poderia ficar horas aqui escrevendo sobre os vários motivos que impedem a bíblia de ser confiável mas acho que já esta bom, antes de tentarem me refutar, peço que meditem sobre isso e parem para raciocinar um pouco.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Caro Maurício,

      em primeiro lugar, me desculpe por demorar a responder.

      "A parte do unicórnio ou " único chifre " sendo traduzido por um animal que É DIFERENTE POR TER DOIS CHIFRES AO INVÉS DE UM demonstra toda a fragilidade das traduções ao longo dos séculos"

      Como assim uma tradução destoante demonstra que todas as traduções são frágeis? Isso não é uma falácia de generalização?

      Esse caso só demonstra que a tradução é uma coisa difícil de ser feita. A tradução para o grego "monokeros" era válida nos tempos em que foi feita, só depois o unicórnio como um cavalo de um cifre só entrou para a cultura popular e criou a confusão com o termo. A língua evolui.

      "SE É POSSÍVEL FAZER UMA TRADUÇÃO TOTALMENTE DIFERENTE DO ORIGINAL PORQUE ESSE É INCÔMODO, COMO ALGUÉM PODE CONFIAR QUE COISAS IMPORTANTES NÃO FORAM IGUALMENTE EDITADAS ?"

      Você misturou "tradução inadequada" com "edição" aqui de um modo pejorativo. Não conheço nenhuma parte da Bíblia que foi comprovadamente "editada". Se você conhecer, por favor me fale.

      "Isso sem falar que várias passagens bíblicas tem problemas com números,isso nos levar a indagar: existem problemas também nas partes de doutrinas chaves?"

      Uma coisa não implica na outra. Não conheço nenhum problema de tradução/cópia de textos bíblicos em relação a doutrinas, e olha que eu tenho estudado isso a fundo. Todas as aparentes contradições se resolvem com um estudo aprofundado.

      "Além disso, temos várias igrejas evangélicas com doutrinas opostas"

      Não nego que existem textos que admitem interpretações variadas. Não tenho resposta pra isso. É possível que Deus permita alguma variabilidade no entendimento de alguns ensinamentos.

      "vamos lembrar que ampliando nossa pesquisa contemplando todos os cultos cristãos temos simplesmente três bíblias diferentes!"

      Isso é uma mentira deslavada. Só existe uma Bíblia. A Bíblia católica é exatamente a mesma no conteúdo textual que a Bíblia protestante. A diferença é que há livros adicionais na Bíblia católica. A Igreja protestante reconhece a historicidade e a utilidade destes livros mas não a inspiração divina, por razões históricas. As testemunhas-de-jeová não tem uma Bíblia diferente, tem uma adulteração mal-traduzida de propósito da Bíblia original.

      "por exemplo houveram várias listas diferentes dos livros considerados inspirados, e se de repente a lista correta ficou perdida?"

      Primeiro, que eu saiba só existem duas listas, a católica e a protestante, e elas nem são tão diferentes entre si.

      Segundo, vamos nos resumir a duas possibilidades: ou o Deus cristão existe ou ele não existe. Se Ele existe, não permitiria que a lista verdadeira se perdesse. Se Ele não existe, também não existe lista correta e a pergunta é irrelevante.

      "Vale lembrar que existem várias citações de livros considerados apócrifos na bíblia, isso porque quem fez a citação considerava o livro citado como inspirado, por exemplo, o diabo brigando pelo corpo de moisés"

      Sim, e daí? Disse ali em cima que reconheço historicidade e utilidade de alguns desses livros.

      Sobre as dificuldades com a autoria que você menciona, eu estou a par delas. Mas eu resumo a questão a um dilema simples: ou Deus existe ou Ele não existe. Se Ele existe, e temos alguma maneira de descobrir isso fora da Bíblia, a partir disso provamos pra nós mesmos que a Bíblia é verdadeira. Deus provou Seu amor (e portanto Sua existência) pela humanidade se tornar Jesus, morrer e ressuscitar. A ressurreição é estudada historicamente de modo que há evidências de que ela realmente ocorreu. Se Jesus ressuscitou dos mortos, então Deus existe e a Bíblia é verdadeira (porque o próprio Jesus falava sobre a autoridade da Bíblia).

      Veja este debate sobre as evidências da ressurreição de Jesus:
      http://www.reasonablefaith.org/portuguese/existem-evidencias-historicas-para-a-ressurreicaeo-de-jesus-craig-ehrman

      Abraços, Paz de Cristo.

      Excluir
  20. Nada mais do que bruxos metendo a mão na bíblia! Não existem unicórnios, os animais descritos são o RINOCERONTE (chifre na parte frontal, próximo do nariz) e o hipopotamo.

    ResponderExcluir
  21. Não é nada convincente o assunto acima burro falante serpente falante ,e um grande peixe engole jonas n tem lógica são mitos
    Um homem n poderia viver três dias na barriga de uma cachalote por causa do suco gástrico, morreria questão de minutos .
    Esse mamifero que n é peixe mergulha nas aguas profundas para jonas n teria chance nenhuma

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Existem relatos documentados na história de homens que sobreviveram a serem engolidos por cachalotes. Isto mostra pelo menos que é possível de ocorrer.

      Excluir
  22. Vou me ater ao que está no texto sobre os unicórnios: "... o seu significado não é conhecido com precisão, mas provavelmente está longe de ser o unicórnio que conhecemos hoje...". Já que usou o termo PROVAVELMENTE, então PROVE o que está informando. Cristão tem mania de ler sobre as partes que interessam da bíblia e todo o resto (da bíblia) tem sentido figurado. O manual judaico-cristão começa com uma cobra falante e termina com um dragão de sete cabeças PONTO FINAL

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não entendo... mas eu provei no texto, o que mais você quer que eu diga?

      "A palavra original em hebraico é "re'êm", o seu significado não é conhecido com precisão, mas provavelmente está longe de ser o unicórnio que conhecemos hoje, visto que o unicórnio como animal mitológico surgiu na Pérsia e na China, na era pré-cristã, provavelmente como interpretação do achado de fósseis do Elasmotherium sibiricum. (Fonte) Os hebreus nunca tiveram contato com os chineses, e tiveram contato com os persas depois que todos os livros da Bíblia citados acima já haviam sido escritos.

      A palavra "unicórnio" surgiu na Bíblia quando a mesma foi traduzida para o grego (Septuaginta), por volta de 300 a.C., e a palavra hebraica foi substituída pelo termo "monokeros", que em bom português equivale a "monochifre", ou "unicórnio". Além disso, diversas traduções atuais da Bíblia já retraduziram esse termo infeliz para outros que são mais prováveis, como o auroque, uma espécie de boi selvagem caçado pelos povos mesopotâmicos, hoje extinto. Foram encontrados altos-relevos em sítios arqueológicos na Assíria onde os auroques são retratados de perfil, parecendo assim terem um chifre só."

      Além disso, no mesmo texto eu falo sobre cobra falante e dragão de sete cabeças (esse é na parte 1 se não me engano).

      Abraços, Paz de Cristo.

      Excluir
  23. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  24. Quanto ao fato da serpente ter possuído patas, não há problema algum, pois há um consenso até entre os evolucionistas de que esses animais..." Pelos menos as teorias evolucionistas ajudam os religiosos a responder determinadas coisas sem respostas,mas isso é apenas seletivo,pois quem acredita em Adão e Eva nunca irá acreditar na evolução das espécies ,sobretudo a humana,pois são suas correntes de pensamentos que se confrontam.É feio por parte de vocês religiosos não acreditarem na evolução e mesmo assim buscarem respostas nessa teoria afim de justificar os absurdos bíblicos já que não encontram respostas plausíveis.Sinceramente,tenho pena viu?Muita pena.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Caro Combate à Homofobia,

      qual é o problema em acreditar em Adão e Eva e na evolução? Sinceramente, não vejo nenhum. Adão e Eva são personagens bíblicos, portanto históricos. São os primeiros seres humanos. O modo como o livro de Gênesis descreve a criação deles é deveras alegórico, quase poético, diz que Deus os modelou a partir do "pó da terra" e soprou nas narinas deles a vida. Isso pode significar quase qualquer coisa, visto que está sendo utilizada uma linguagem claramente simbólica. Isso dá espaço inclusive para acreditar que Deus foi formando a espécie humana através de milhões de anos de transformações de espécies, com a primeira espécie surgindo a partir do "pó da terra" (isto é, os componentes orgânicos do solo), até que em um determinado momento dotou uma dessas espécies de consciência (isto é o "soprou nas narinas").

      Portanto, o relato bíblico sobre a criação é muito amplo e dá margem a muitas possibilidades. Praticamente a única verdade fundamental nesse relato é que Deus é o autor do Universo e da vida. Como ele os criou, eu penso ser um assunto exclusivamente científico.

      Abraços, Paz de Cristo.

      Excluir
  25. gostaria de dizer que o sol parou de girar.

    lembre-se que até meados da renascença todos acreditavam que o sol girava ao redor da terra, isso é normal..... hj com a ciência dizemos o contrário...........

    o problema é que uma coisa estar correta, alguém parou..... e foi a terra e pior....... provavelmente foi por esse fato que nós temos o bissexto e além disso, a lua pode se tornar sincronizada do ciclo da terra com a translação..... veja que não foi tão absurdo assim.....

    só lembrando que Deus faz as coisas do jeito dele

    ResponderExcluir
  26. Suas explicações tem um completo embasamento científico. Para mim explicou absolutamente tudo. Estou mandando uma cópia para a revista Nature para eles publicarem na próxima edição.

    ResponderExcluir
  27. Com todo respeito,já falei com pastores e pessoas mais velhas na fé que confirmam que esses animais existiram a muito tempo, os gigantes, dragões, basiliscos e uniconios são citados na biblia, e só or ser citados na biblia eles existem sim, não com os poderes que imaginamos ter mais eles existiram com certeza.

    ResponderExcluir
  28. VAMOS AOS FATO , BEHEMOT COM UMA CAUDA GIGANTE FOI DESCRITO, HIPOS NAO TEM CAUDAS LONGAS! UNICORNIO UM BOI DE LADO, NUNCA VIRAM O TAL AUROQUE DE FRENTE , SÓ DE PERFIL ? JONAS ,MESMO QUE ENGOLIDO POR UM CACHALOTE, LEVE EM CONTA TODOS OS FATOS, NAO CABERIA UM HOMEM ADULTO EM SEU ESTOMAGO, JONAS FICOU 3 DIAS E 3 NOITES EM POSICAO FETAL NO SUCO GASTRICO E NAO MORREU? ENTAO SEM OFENDER NAO RESPONDEU AO ATEISMO , RESPONDEU A VC MESMO E SE CONTENTOU COM ISSO , SE FOR LEVANTAR QUESTAO CIENTIFICAMENTE SEJA CIENTIFICO E ANALISE TODAS AS POSSIBILIDADES, OU ENTAO SIMPLESMENTE DIGA : FOI UM MILAGRE DIVINO! , PRA QUEM ACREDITA NAO PRECISA DE PROVA: PRECISA DE FÉ, E PRA QUEM NAO ACREDITA, PRECISA APRESENTAR PROVAS DE VERDADE, SEM CONTAR QUE PRA ACREDITAR NA BIBLIA E NESCESSARIO ACREDITAR QUE A PALAVRA DE DEUS E INERRANTE, LOGO TODA A BIBLIA E VERDADE, E SE TAL E VERDADEIRA E A TERRA TEM 6 MIL ANOS , COMO PODERIAM TER ACHADOS FOSSEIS DE ELASMOTHERIUM ?

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...