segunda-feira, 2 de julho de 2012

Genocídios e atrocidades na Bíblia? [Parte 1]




Olá, leitores. No dia 20 de junho de 2011, eu publiquei um texto introdutório sobre o tema "Genocídios e atrocidades na Bíblia?", que aliás nem era de minhda autoria. Na época eu prometi publicar uma continuação ou uma versão mais detalhada, porque eu ainda não havia reunido conhecimento necessário para tal. Hoje, pouco mais de um ano depois, e após uma pesquisa relativamente extensa sobre o assunto, encontrei a oportunidade para publicar a continuação. Meu artigo está baseado principalmente na visão dos teólogos John Piper e William Craig sobre o assunto, e cobre vários fatores relacionados à matança dos cananitas registrada no Velho Testamento.

Aproveitem a leitura,
Abraços, Paz de Cristo.

Genocídios e atrocidades na Bíblia?

Capítulo 1. Introdução

No Velho Testamento, narra-se a história de como os descendentes de Abraão, os hebreus, tomaram a terra de Canaã, em cumprimento da promessa feita ao próprio Abraão mais de 500 anos antes, tendo eles se fixado ali e se estabelecido finalmente como uma nação. Em uma primeira leitura, causa muita estranheza o moo como se deu esta conquista: houve uma ordem divina para exterminar sem misericórdia todos os moradores antigos daquela terra. Tal estranheza é reforçada quando vista aos nossoa olhos ocidentais de hoje em dia. Será que é possível encontrar humanamente uma justificativa para tais episódios? Podem estas atitudes serem compatíveis com um Deus bom, justo e misericordioso?

Antes de responder, vamos primeiro decompor e analisar o problema. O povo hebreu foi escravizado por cerca de 400 anos no Egito. Eles se libertaram e rumaram em direção à Canaã, a "Terra Prometida". Deus os livrou da escravidão e os fez voltar para a terra de seus antepassados. Em Dt. 7.1-2 e Dt 20.16-18 vemos as ordens de Deus em relação ao que fazer com o povo que lá residia. Todos deveriam ser mortos, sem exceção. No livro de Josué vemos a ordem ser cumprida. Diz-se que a ação cometida pelos hebreus foi um 'genocídio', isto é, o extermínio completo de uma nação ou etnia. A Bíblia de antemão dá uma justificativa para o ato, a saber, aqueles povos estavam sendo exterminados por causa dos pecados e imoralidades que eles cometiam. Mas esta resposta parece ignorar que crianças e bebês inocentes também foram mortos. Havia neles alguma culpa? Poderia-se tamb ém argumentar que a moralidade na verdade estaria definida pelas ações de Deus, sendo que se Deus mandou matar era porque matar, naquele contexto, era moralmente correto. Isto parece gerar um conceito arbitrário de moralidade, aliás bem parecido com o islamismo, o qual justifica muito de seus atos violentos por estarem cumprindo a vontade de Deus.

O mais interessante é notar que apesar de a história ofender nossa sensibilidade moral, esta foi formada na nossa cultura ocidental através dos próprios valores que foram herdados da tradição judaico-cristã. Mesmo as pessoas que não são cristãs hoje em dia possuem inconscientemente este senso moral, por causa de fatores sociológicos. A Bíblia e o cristianismo ensinaram a sociedade no passado o valor intrínseco de cada ser humano, a imporaância de uma conduta justa e de uma punição justa para cada crime. Mas a mesma Bíblia parece violar estes valores com a história da matança dos cananitas. Na verdade, isto parece entrar em contradição até com outros pontos do Velho Testamento, one o Deus Javé se mostra justo, compassivo e sofredor por seu povo (e oportunamente alguns críticos religiosos, como Richard Dawkins utilizam este texto da Bíblia para pintar um retrato distorcido de Deus).

Mas afinal, o que está em jogo aqui? O que acontece se Deus realmente emitiu esta ordem. O que concluímos daí? Que Ele não existe? Ou que Jesus não ressuscitou dos mortos? Dificilmente, pois estas questões são atestadas de outras formas independentes disto. Alguns podem objetar que este episódio contraria o argumento moral para a existência de Deus. Mas isto também não ocorre. (Para quem não lembra, o argumento moral se resume a: (1) Se Deus não existe, não existem valores morais objetivos; (2) Existem valores morais objetivos; (3) Logo, Deus existe). Se um objetor afirmar que Deus fez algo moralmente errado ao exterminar os cananeus, ele estaria só confirmando a premissa 2, e portanto, a conclusão do argumento. A outra abordagem é dizer que o evento não ocorreu, que foi apenas uma lenda contada pelos hebreus ou que eles simplesmente pensaram que Deus havia ordenado isto. Aí entra em jogo a questão da inerrância bíblica. Entretanto, observe que mesmo se o texto do pentateuco não for confiável, isto não diz nada acerca da confiabilidade do resto da Bíblia. Os evangelhos do novo testamento continua mantendo a mesma credibilidade e de forma nenhuma as conclusões acerca da existência do Jesus histórico ou as provas de sua divindade ficam prejudicadas. Afinal, são livros diferentes, escritos em épocas diferentes, por autores diferentes. Mas vamos ignorar a questão da inerrância e assumir que os relatos são verdadeiros, para não complicar o problema.

Então, vimos que o problema não é uma objeção séria à existência de Deus, na verdade o problema reside nas definições acerca da moralidade e do caráter de Deus. Estas não deixam de ser questões muito importantes.


Capítulo 2. O caráter de Deus

Ao lermos os textos proféticos no Velho Testamento (17 livros, entre Isaías e Malaquias), podemos constatar o profundo cuidado de Deuspelos pobres, oprimidos, humilhados, órfãos e outros. Vemos Ele a todo momento agindo de forma justa e consistente, às vezes quase implorando para que as pessoas se arrependam de seus caminhos, para que pudesse não julgá-las. Por exemplo, no livro de Ezequiel, Deus diz: 

“Vivo eu, diz o Senhor DEUS, que não tenho prazer na morte do ímpio, mas em que o ímpio se converta do seu caminho, e viva”. (Ez 33.11)

Deus enviou Jonas a Nínive porque teve compaixão dos habitantes daquela cidade pagã, nas Suas palavras, “homens que não sabem discernir entre a sua mão direita e a sua mão esquerda” (Jn 4:11). No próprio Pentateuco, encontramos os dez mandamentos, uma dos códigos morais mais elevados da Antiguidade. Mesmo o aparentemente severo "olho por olho, dente por dente" não servia para expressar vingança, mas sim para oficializar a justiça, dadas as punições excessivas que eram comuns na época.

Veja também quando Deus intentou destruir Sodoma e Gomorra, e Abraão corajosamente retrucou: "Destruirás também o justo com o ímpio? Se porventura houver cinqüenta justos na cidade, destruirás também, e não pouparás o lugar por causa dos cinqüenta justos que estão dentro dela? Longe de ti que faças tal coisa, que mates o justo com o ímpio; que o justo seja como o ímpio, longe de ti. Não faria justiça o Juiz de toda a terra?" (Gn 18.25). Abraão "negocia" com Deus, até que Deus garanta que não destruiria a cidade até mesmo se houvessem apenas dez pessoas corretas na cidade, por amor a eles.

A primeira pergunta que pode surgir, sobre o caráter de Deus, e se Deus está sujeito às mesmas obrigações morais que nós, ou melhor, especificamente no contexto de matar pessoas. 

Parece haver uma distinção moral infinitamente diferente entre o fato de um homem matar um homem e Deus matar um homem. Para saber disso temos que pensar primeiro: Por que matar é errado? Matar é errado porque nenhum ser humano tem direitos sobre a vida de outro. Todos têm o direito de viver, direito esse que foi dado por Deus. Todos nós recebemos a nossa vida física de graça, sem nada a pagar por isso. Em segundo lugar, quando matamos alguém, privamos a vítima de desfrutar de um futuro. Nós não conhecemos o futuro, e não sabemos se aquela pessoa não morresse, quais oportunidades boas ela teria no futuro. Em terceiro lugar, as pessoas geralmente matam por motivos egoístas: inveja, brigas, ódio, ou às vezes até mesmo por prazer! Agora pense sobre Deus. Deus criou a vida humana, portanto Ele é o único que tem direitos [autorais] sobre ela. Para Deus o primeiro motivo não é aplicável. Ora, Deus conhece o futuro, portanto Ele sabe quando é o instante perfeito para que a pessoa morra, considerando todos os fatores possíveis (não que todo mundo vá ficar feliz com a morte da pessoa, mas o sofrimento causado aos familiares muitas vezes pode ser uma forma de ensinar uma lição espiritual). Para Deus o segundo motivo também é irrelevante. Finalmente, Deus é definido como sendo infinitamente justo, portanto se Ele mata alguém, ou permite que alguém morra, concluimos que este ato é justo, e não pode ser motivado pelos sentimentos corruptos que os humanos têm, pois Deus não pode ter estes sentimentos (pois senão não seria Deus - isto não é uma limitação ao poder dEle, já que se Deus tivesse estes sentimentos Ele seria imperfeito. Um ser perfeito não possui sentimentos corruptos). Então, nenhuma das restrições ao ato de matar se aplica para Deus. Logo, não encontramos motivos para que matar seja errado, para Deus.

Portanto, por mais que nos pareça estranho, é certo para Deus matar homens, mulheres ou crianças sempre que lhe aprouver. Deus dá a vida e Ele toma a vida. Na verdade, todas as pessoas que morrem, morrem pelo conssentimento de Deus. Então, Deus está tomando vidas todos os dias. Ele tomará cerca de 50.000 vidas hoje. A vida está nas mãos de Deus. É importante ver também que Deus não nos deve nada. Ele não tem a obrigação de prolongar a nossa vida indefinidamente. Se eu caísse morto agora mesmo, ou se uma bomba explodisse matando centenas de pessoas junto comigo, Deus não teria feito nada de errado. Ele não erra com ninguém quando toma a sua vida, seja com duas semanas ou com 92 anos de idade. 

Do ponto de vista do cristianismo, a nossa condição corrupta por causa do pecado nos torna dignos de morrer sem nenhuma piedade, portanto na verdade a vida é uma grande benção que Deus nos faz desfrutar, não é um dever dEle. É um ato de amor e misericórdia, que foi consumado totalmente quando Deus vem na fomra de Jesus para pagar a dívida do pecado da humanidade e nos tornar novamente aceitáveis diante dEle e de Sua Santidade.

Assim, o Velho e o Novo Testamentos apresentam Deus como alguém que tem direitos totais sobre a vida e minha morte. “O SENHOR deu, e o SENHOR tomou; bendito seja o nome do SENHOR.” (Jó 1.21) Quando fazemos essas ponderações, percebemos que o "Não matarás" em Êx 20.13 refere-se a "matar alguém por motivações próprias, sem a ordem de Deus". 

Voltando à questão de Deus e as obrigações morais, esta questão está intimamente relacionada com os fundamentos da nossa teoria ética. Nossas obrigações morais, a aprtir da Bíblia, seriam constituídas pelos mandamentos de Deus santo e amoroso. Já que Deus não pode emitir ordens a si mesmo, Ele não tem obrigações morais para cumprir. Portanto, Ele certamente não esta sujeito às mesmas obrigações e proibições a que nós estamos. Por exemplo, como já vimos, eu não tenho nenhum direito de tirar a vida de um inocente. Se eu fizesse isto, seria um assassino. Mas Deus pode dar e tirar a vida como Ele decidir, dadp que Ele possui direitos sobre a vida. Nós todos reconhecemos isto quando censuramos alguma autoridade que presume tirar vidas como “brincar de Deus”. Portanto, damos por esclarecida a questão de que Deus teria ou não direito de matar pessoas.


Capítulo 3. O Contexto social dos cananitas

A Bíblia diz alguma coisa, mas ainda sim pouco, sobre como era o modo de vida dos cananitas. Hoje em dia sabemos muito mais por causa de evidências arqueológicas, descobrimos que a cultura cananita incluia ritos de prostituição cultual, muitas formas de violência e idolatria e até mesmo rituais de sacrifício de crianças, que eram oferecidas ao deus Moloque.. Em Gn 15.13,16, Deus diz a Abraão: “Sabes, de certo, que peregrina será a tua descendência em terra alheia, e será reduzida à escravidão, e será afligida por quatrocentos anos… e a quarta geração tornará para cá; porque a medida da injustiça dos amorreus não está ainda cheia.”. "Amorreu" era um nome genérico para os povos daquela região, é um termo composto das duas palavras hebraicas 'am e 'or, literalmente "povo das montanhas". Assim, mais de quatrocentos anos antes do julgamento de Deus, aquele povo já estava envolvido em práticas corruptas. E parece que este tempo todo foi dado como uma oportunidade para que os amorreus se arrependessem de seus atos. Esta passagem revela o caráter de Deus que já estamos acostumados a ver em outras passagens do Velho Testamento. 

É interessante que a libertação dos escravos do Egito e a viagem do hebreus em Canaã foi recheada de eventos milagrosos e extraordinários, que foram visíveis para as nações ao redor (Leia Js 2.8-11). Assim estas nações tiveram ainda uma chance de se arrependerem antes de serem destruídas. E, de fato, tiveram também oportunidade de rendição. Os gibeonitas, um povo dos amorreus, entraram em acordo com Josué e não foram exterminados (Js 9).

Os cananeus deveriam ter uma visão muito diferente de Deus do que Israel.  Em um ensaio de Clay Jones publicado no periódico Philosophia Christi ("We Don’t Hate Sin, So We Don’t Understand What Happened to the Canaanites: An Addendum to ‘Divine Genocide’ Arguments,” Philosophia Christi 11/1 (2009): 52-72. http://epsociety.org/store/backissues.asp?issue=23&mode=detail), mostra-se que textos ugaríticos retratavam El, o Deus de Israel, como um fraco, usurpado por Baal, e imundo em seus próprios excrementos e urina. Em contraste, no pensamento de Israel sobre o Deus, Ele estava disposto a adiar o julgamento de Sodoma e Gomorra por amor de uns poucos justos que estivessem na cidade; ele esperou mais de 400 anos o arrependimento dos cananitas, esperou até que sua justiça não mais permitisse que eles continuassem impunes. como povo.


Além disso, não foram os israelitas que atacaram primeiro, foram os cananeus que não se mostraram amistosos, e Deus convenientemente permitiu isso para que Israel usasse a defensiva como um instrumento da justiça de Deus em punir aqueles povos, como vemos neste texto de Josué:

"Não houve cidade que fizesse paz com os filhos de Israel, senão os heveus, moradores de Gibeom; por meio de guerra, as tomaram todas. Porque tinha sido desígnio do Senhor que os seus corações se endurecessem e combatessem contra Israel, e que fossem derrotados." (Js 11.19,20)

Portanto, concluimos que Deus tinha razões moralmente suficientes para a ordem que que Ele manifestou aos israelitas, que esta ordem não era contrária à sua natureza e que ela não foi arbitrária, como se Ele estivesse “decidindo na hora" o que era bom ou mal. Esta ordem foi um ato de julgamento pela pecaminosidade do povo, que havia sido adiado por muito tempo. Assim como Deus usou Israel como um instrumento para a sua justiça sobre Canaã, da mesa forma centenas de anos depois Deus também usou as nações da Assíria e Babilônia como julgamento e punição à corrupção de Israel, uns 600 anos depois.

57 comentários :

  1. Muito bom o texto! Aguardo a continuação.

    Paz do Senhor!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A paz do Senhor!
      Que frase mais oportuna!
      Tomara que não seja nunca a mesma paz de Josué".

      Excluir
  2. Você pode postar algo sobre a partícula de Deus????

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Caro Anônimo,
      eu não sei se esse tema tem muito a ver com o objetivo do blog (a "partícula de Deus" não diz muita coisa sobre a existência de Deus, isso é mais um apelido). Além disso eu tenho estado ocupado com muitas coisas e me falta tempo para escrever textos novos. Estes textos que eu estou publicando atualmente foram escritos muito tempo atrás.

      Abraços, Paz de Cristo.

      Excluir
    2. Se você tem acesso ao Facebook, publiquei lá uma imagem que tem a ver com o assunto:

      https://www.facebook.com/respostasaoateismo/posts/391640890896719

      Abraços, Paz de Cristo.

      Excluir
  3. Ah, David... Vamos lá. "[...] textos ugaríticos retratavam El, o Deus de Israel, como um fraco, usurpado por Baal, e imundo em seus próprios excrementos e urina.[...]" É bem provável do texto de Ugarit estar falando isso mesmo, mas tem um equívoco aí. O deus fraco não é El, deus de israel, mas El, deus cananeu. Explico.

    El é um deus chefe do panteão cananeu desde a Idade do Bronze. Seus epítetos incluem "Poderoso", "Touro", "Pai dos deuses e homens", etc. É um deus agrário e fértil, que gerou todo o panteão de deuses cananeus fecundando suas duas deusas esposas: Asherat e 'Anat. Acontece que Baal, um de seus filhos e deus das tempestades e da chuva, destrona El e assume seu lugar como líder de panteão (bem parecido como o que aconteceu entre Zeus e Cronos, isso é comum no politeísmo antigo). Nesse momento, apesar dos epítetos que eu mencionei, o deus El foi visto como indeciso, fraco, senil, tendo seu poder usurpado por um deus mais forte, Baal. Logo, o deus fraco é o El cananeu.

    Acontece que há uma confusão entre o El cananeu e o YHWH hebraico desde a antiguidade. Quando a religião hebraica se iniciou, ela primeiramente se estabeleceu num sistema politeísta. O deus YHWH foi trazido do deserto para um contexto religioso cananita e, nesse processo, acabou sendo sincretizado com El (já lhe disse que isso é muito comum, até hoje, nas religiões). O termo "El Shaddai", por exemplo, usado muito por Jó para se referir a YHWH como "Deus Altíssimo", na verdade é um epíteto de El. "Shaddai" vem de uma palavra semita para alto, mas também para montanha, um dos lugares mais usados para cultuar El. Outro exemplo é a construção de dois bezerros de ouro por Jeroboão, rei de Israel (1 Reis 12,28). O bezerro é um animal ligado a El, como o touro. Jeroboão não queria cultuar outra divindade, mas sim estabelecer em Israel uma imagem sagrada que representasse YHWH, como havia a Arca da Aliança em Jerusalém, no reino de Judá.

    Só que os autores da Bíblia queriam implantar a monolatria de YHWH (já lhe expliquei o que isso quer dizer) e, apesar de continuar se fazendo valer de alguns atributos de El, atacaram fortemente a religião cananeia e tentaram apagar seus traços de sua própria religião, almejando um "purismo" religioso impossível a essa altura. A própria Asherah, que com o sincretismo havia se tornado consorte de YHWH (foram encontrados diversos vestígios de objetos sagrados de Asherah ao lado de YHWH em templos menores israelitas, mais rurais) foi diabolizada e atacada na Bíblia (veja 1 Reis 15,13, onde um ídolo dedicado a Asherah foi destruído). Até Jeroboão foi repreendido pelo seu "pecado" pelo "homem de Deus" (1 Reis 13, 1-10). Mas aí já era tarde, El já havia se tornado um termo hebraico para Deus e YHWH já havia tomado na mentalidade hebraica a dimensão cósmica que El ocupava na mentalidade religiosa cananeia.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Seu ponto de vista histórico é interessante, como sempre, Fábio. nNão nego que havia um sincretismo e uma confusão religiosa no Israel antigo, aliás nem a Bíblia nega isso. O que a Bíblia diz é que Deus (o Deus que existe, independente de nomes) se revelou a Abraão, um semita que já vivia no meio do politeísmo. Gerações depois, esse Deus devotado pelos descendentes de Abraão se revelou como YHWH o único Deus a Moisés. Quando os israleitas saíram do Egito e voltaram a Canaã, se encontraram com as tradições politeístas cananitas e não demorou muito (o período dos juízes) a absorver parte dessa cultura, mas a história bíblica mostra como o povo sempre foi repreendido por absorver essas tradições.

      Abraços, Paz de Cristo.

      Excluir
  4. Rapaz, você tem uma habilidade fantástica em enrolar teus seguidores.

    Resumindo tudo que você digitou: a Bíblia não é consistente. Deve lê-la com pelo menos uma lista de condições e restrições, uma espécie de manual.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Caro Fernando,
      onde eu disse que a Bíblia não é consistente?

      Abraços, Paz de Cristo.

      Excluir
    2. Q desculpa idiota para justificar o deus assassino d CRIANCINHAS,esse deus ñ existe,se existisse seria um monstro q so neandertal seguiria, nós ateus em maioria,temos o coração bondoso, por isso rejeitamos a existência desse genocida miserável kkk

      Excluir
    3. Então se ele existisse e fosse esse "monstro" como vc diz... Pq vc estaria vivo hoje?

      Excluir
    4. Olha estava procurando algumas respostas para perguntas recorrentes que me faço então não tenho muito a haver com o que houve aqui, mas sendo agnóstico que sou, procuro aprender antes de julgar, se ele era um monstro ou não guarde para você não menospreze o trabalho que o cara teve para escrever esse texto, cada um com a sua opinião, sei que escrevendo isso posso não mudar nada, mas achei que deveria pois se é ateu bondoso, ao menos respeite a religião.

      Excluir
  5. Como vc pode sustentar argumentos claramente imorais cara? Algumas regras são absolutamente estapafúrdias. Na bíblia diz q quem trabalhar aos sabados deve ser morto, se alguem a seguisse verdadeiramente eu já estaria morto.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sobre trabalhar no sábado, já expliquei no outro post que isso era a lei cerimonial judaica, que tinha um propósito simbólico específico e que hoje já não é mais necessária, depois que Jesus veio à terra. Mas eu falei um pouco mais sobre isso na continuação do texto (parte 2), mais especificamente no item 5 (O contexto social os cananitas). Lá eu explico qual era esse "propósito simbólico específico".

      Excluir
    2. Mateus 5:17-18
      Números 15:32-36

      Excluir
    3. Caro sdafir,

      transcrevo um trecho de um site cristão que responde à sua insinuação:

      Romanos 10:4 “Porque o fim da lei é Cristo para justiça de todo aquele que crê.”

      Gálatas 3:23-25 “Mas, antes que a fé viesse, estávamos guardados debaixo da lei, e encerrados para aquela fé que se havia de manifestar. De maneira que a lei nos serviu de aio, para nos conduzir a Cristo, para que pela fé fôssemos justificados. Mas, depois que veio a fé, já não estamos debaixo de aio.”

      Efésios 2:15 “Na sua carne desfez a inimizade, isto é, a lei dos mandamentos, que consistia em ordenanças, para criar em si mesmo dos dois um novo homem, fazendo a paz”

      Em substituição à lei do Velho Testamento, nós estamos sob a lei de Cristo (Gálatas 6:2), que é: “Amarás o Senhor teu Deus de todo o teu coração, e de toda a tua alma, e de todo o teu pensamento. Este é o primeiro e grande mandamento. E o segundo, semelhante a este, é: Amarás o teu próximo como a ti mesmo. Destes dois mandamentos depende toda a lei e os profetas” (Mateus 22:37-40). Se fizermos estas duas coisas, estaremos cumprindo tudo o que Cristo quer que façamos, “Porque este é o amor de Deus: que guardemos os seus mandamentos; e os seus mandamentos não são pesados” (I João 5:3). Tecnicamente, nem os Dez Mandamentos são aplicáveis aos cristãos. Entretanto, 9 dos Dez Mandamentos são repetidos no Novo Testamento (todos, exceto o mandamento para que se guarde o Sábado).

      Excluir
  6. Caramba!Voces sao otimos no que fazem!
    Meus parabens!Que Deus continue os abençoando grande e abundantemente!

    ResponderExcluir
  7. Deus é o dono da vida, e não precisa ordenar assassinados individuais ou em massa. Bastaria o desejo divino de ceifar a vida e pronto, não precisando tornar ninguém assassino para exercer seu juízo. ( DEUS NÃO PRECISAVA DE JAGUNÇOS)
    O texto é uma embromação, SEM OBJETIVIDADE.
    O Deus descrito no VT tem predicados humanos dos mais baixos, como a ira, o ciume, a vingança, o ódio, arrependimento etc.
    O VT é uma visão deturpada e pervertida de Deus, extraído da leitura factual e espiritual erronea, de um povo com cultura sincretista ( Egito, Persia, Babilonia, Filistia etc), que Cristo veio à corrigir, sendo que a "jave" foram atribuídas ações que o identificam como uma entidade pagã.
    O principal motivo para as mortes e guerras do povo hebreu era o poder político economico, assim como hoje.
    Os povos semitas tem esse traço, de santificar as guerras e as barbáries, atribuindo-a a vontade de Deus.
    O fato é que não há harmonia alguma entre o VT e o NT.
    O Judaismo ( abraamismo), é uma expressão religiosa anticristã, e o "deus" do Velho Testamento sua diretriz.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu concordo que Deus não precisa de "jagunços", mas isso não quer dizer que ele não possa usá-"los" se quiser.

      Sinto discordar da sua visão descoerente entre o VT e NT, mas comigo estão a esmagadora maioria da ortodoxia cristã, incluindo até o próprio Cristo (Jesus citou nada menos do que 34 passagens do VT nos Evangelhos).

      O que o VT apresenta é uma visão antropomórfica de Deus, de modo que Deus se revelou à humanidade de uma maneira que fosse inteligível ao homem antigo, e para isso algumas coisas como a reação emocional e a temporalidade são aparentemente mostradas em alguns textos. Em contrapartida, os atributos de Deus (eternidade, bondade, onipotência, etc.) são declarados e mostrados extensivamente em todo o Velho Testamento, de modo que não há diferença entre os atributos do Deus do VT e do Deus do NT.

      Abraços, Paz de Cristo.

      Excluir
  8. Vamos ser objetivos:
    Podemos atribuir a DEUS TRIUNO ( CRISTO, PAI e ES)?
    a) a apologia a escravidão;
    b) o abuso sexual a mulher, as escravas e meretrizes;
    c) pena de morte aos pedados morais e ao desrespeito as leis cerimoniais e ritos;
    b) assassinato de crianças em qualquer faixa etária;
    e) a aquisição financeira de um ser humano;
    f) a completa ignorancia sobre o sistema planetário ( a terra que gira em torno do sol - heliocentrismo de Copernico)
    g) que somente pune o estupro das virgens e mulheres casadas ( para proteger a moral machista do pai ou do esposo ) etc.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Aqui você está ignorando completamente o que eu falei no texto sobre os motivos para a severidade presente nestes relatos bíblicos. Isto já foi respondido acima.

      Excluir
  9. Antes de tudo, NÃO SOIU ATEU, MAS CRISTÃO.
    Entretanto, creio na ausencia de canonicidade da grande maioria dos livros inseridos no Velho Testemento, que dizem respeito a religião judaica, que como disse, tem sua essencia anticristã, já que os judeus, peremptoriamente, de modo livre e consciente, negaram a Cristo.
    Assim sendo, não vejo razão para seguir princípios e dogmas daqueles que negaram ou não reconheceram o Messias.
    Sobre o texto acima:
    DEUTERONOMIO 21:10-13 A mulher prisioneira: Com aprovação divina, os Israelitas podem pegar as "mulheres formosas" do inimigo e as levarem para suas casas para serem suas mulheres.
    ÊXODO 21:20-21 Com a aprovação divina, um escravo pode ser surrado até a morte sem punição para o seu dono, desde que o escravo não morra imediatamente.
    ÊXODO 32:27 "Cada um ponha a sua espada sobre a sua coxa; e passai e tornai pelo arraial de porta em porta e mate cada um a seu irmão, e cada um a seu amigo, e cada um a seu próximo. E os filhos de Levi fizeram conforme a palavra de Moisés; e caíram do povo aquele dia uns 3.000 homens.LEVÍTICO 26:29,
    DEUTERONOMIO 28:53, JEREMIAS 19:9, EZEQUIEL 5:8-10 Como punição, o Senhor fará com que as pessoas comam a carne de seus próprios filhos, filhas, pais e amigos.
    NUMEROS 15:32-36 Um homem que no Sábado estava pegando gravetos de lenha para uma simples fogueira é apedrejado até a morte segundo a ordem de Deus.
    NUMEROS 15:32-36 Um homem que no Sábado estava pegando gravetos de lenha para uma simples fogueira é apedrejado até a morte segundo a ordem de Deus.
    NUMEROS 15:32-36 Um homem que no Sábado estava pegando gravetos de lenha para uma simples fogueira é apedrejado até a morte segundo a ordem de Deus.
    JOSUÉ 6:21-27 Com aprovação divina, Josué destrói com o fio da espada os homens, mulheres e crianças da cidade de Jericó.
    REIS II 2:23-24 42 crianças são despedaçadas e mortas por ursos por terem zombado de um homem de Deus que por isso os teria amaldiçoado.
    REIS II 2:23-24 42 crianças são despedaçadas e mortas por ursos por terem zombado de um homem de Deus que por isso os teria amaldiçoado.

    ResponderExcluir
  10. Jesus prometeu voltar, cadê?
    Boa tarde queridos Leitores do blog, Eu(Jean) juntamente com Raphael, decidimos que só iremos postar dias de segunda e sexta feira. Pois bem, vamos ao Primeiro post.

    A Bíblia criou uma das maiores baboseira da historia, disse que Jesus iria voltar e visitar os quatro cantos do globo ignorando as passagens que mostra claramente que ele deveria ter voltado a muito tempo atras.

    Por exemplo, em Mateus 16, falando do seu suposto retorno, ele diz que alguns de seus discípulos ainda estariam vivos quando ele voltasse!

    Mateus 16, 27 " Porque o Filho do homem virá na glória de seu Pai, com os seus anjos; e então dará a cada um segundo as suas obras. "
    Mateus 16, 28 " Em verdade vos digo que alguns há, dos que aqui estão, que não provarão a morte até que vejam vir o Filho do homem no seu reino. "

    Falando sobre o fim do mundo, Jesus diz que tudo aquilo chegará antes do fim daquela geração:

    Mateus 24, 34 " Em verdade vos digo que não passará esta geração sem que todas estas coisas aconteçam. "

    Marcos 9, 1 " Dizia-lhes também: Em verdade vos digo que, dos que aqui estão, alguns há que não provarão a morte sem que vejam chegado o reino de Deus com poder."

    Jesus alega que seus discípulos nem sequer chegariam a percorrer todas as cidades de Israel antes de sua volta!

    Mateus 10, 23 " Quando pois vos perseguirem nesta cidade, fugi para outra; porque em verdade vos digo que não acabareis de percorrer as cidades de Israel sem que venha o Filho do homem. "


    Alguns dizem que Jesus se referia nessas passagens à sua transfiguração. Porém uma leitura do texto mostra que não é o caso. O texto fala claramente de anjos, clamor de trombeta, e descendo do céu montado nas nuvens:


    Mateus 24, 30 " Então aparecerá no céu o sinal do Filho do homem; e todas as tribos da terra se lamentarão, e verão o Filho do homem, vindo sobre as nuvens do céu, com poder e grande glória. "

    Mateus 24, 31" E ele enviará os seus anjos com rijo clamor de trombeta, os quais ajuntarão os seus escolhidos desde os quatro ventos, de uma à outra extremidade dos céus. "

    Mateus 24, 32 " Aprendei, pois, esta parábola da figueira: Quando já os seus ramos se tornam tenros e brotam folhas, sabeis que está próximo o verão. "

    Mateus 24, 33 " Igualmente, quando virdes todas estas coisas, sabei que ele está próximo, às portas. "

    Mateus 24, 34" Em verdade vos digo que não passará esta geração sem que todas estas coisas aconteçam."

    Alguma dessas coisas aconteceram durante sua transfiguração? Jesus desceu do céu montado nas nuvens, com anjos tocando trombetas, ajuntando os escolhidos em uma extremidade a outra no céu?
    Eu acho que não..

    2 Pedro 3:8 " Mas, amados, não ignoreis uma coisa, que um dia para o Senhor é como mil anos, e mil anos como um dia. "

    Provavelmente pressionado pelos fiéis por causa da demora do suposto retorno de Jesus, Pedro soltou essa pérola para tentar contornar a situação, o que parece que vem funcionando até hoje.

    O problema é que Jesus jamais mencionou sua volta em dias. Ele jamais disse: em tantos dias voltarei.

    ResponderExcluir
  11. fonte : http://ateismojovem.blogspot.com.br/2010/01/jesus-prometeu-voltar-cade.html

    ResponderExcluir
  12. o que acha desses cristaos que acham que o DEUS do vt nao era DEUS?

    http://jeovanaoeopai.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  13. Nossa, é um pouco chocante ver como um religioso está disposto a defender a sua crença, mesmo que isso fira idéias morais.Resumindo então, como os cristãos acreditam que o seu deus criou os seres humanos ele pode fazer o que quiser com eles.Ele pode mandar matar crianças, mulheres e homens, e não haverá problema.Pode se comportar como um psicopata monstruoso, e mesmo assim, não haverá problema.

    A idéia do inferno por exemplo, é uma das idéias mais cruéis no meio das religiões.O inferno seria pior do que os campos de concentração dos nazistas.Mas vocês também aceitam sem problemas, afinal de contas, quem fez isso foi o seu deus, e não veem nenhum problema na crença de que ele mantém bilhões de seres humanos conscientes em um lugar terrível, para que sofram mais.

    Assassinatos em massa, assassinatos de crianças, aceitação frente a escravidão, construção de um lugar que consegue ser pior do que os campos de concentração nazistas.É cinismo demais dizer que essa divindade é perfeita, amorosa e justa.

    É impressionante como a dependência emocional de um religioso para com a sua crença faz ele aceitar coisas inaceitáveis.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. George Lemos, você está tendo uma visão limitada de Deus, você está antropomorfizando Ele. Se a gente imaginar Deus como um ser humano normal, automaticamente surge o medo de que Deus faça alguma coisa horrível, pois seria assustador existir um Deus poderoso e ao mesmo tempo sujeito a erros ou maldades. Mas Deus não é assim. Deus é perfeito e bom, e por isso não existe maldade por definição em tudo que Ele faz.

      Mas não pense que por isso Deus não pode matar, por exemplo. Eu expliquei no texto a diferença entre Deus matar e um ser humano matar. É uma diferença muito grande. Primeiro que Deus não é só Amor. Deus é também o legislador do Universo, e como todo Legislador ele precisa punir o mal. Isso é um direito que nós não temos, mas Ele tem. Deus não pode se comportar como um psicopata monstruoso, porque se Ele se comportasse assim, não seria Deus. Deus por definição é bom.

      O inferno é algo difícil de aceitar, realmente, mas é como eu disse. Deus é o legislador do Universo. Ele pune. Ofender a Deus, que é um Ser infinito, merece uma punição infinita. O inferno não é pior que um campo de concentração nazista, porque ao contrário dos campos de concentração, todos os que vão para lá merecem ir. A justiça de Deus não falha.

      Na verdade até os que não vão pra lá mereciam ir, pois todos nós pecamos diante de Deus. Isto talvez seja algo mais difícil de aceitar ainda, a própria imperfeição, maldade e a necessidade de perdão e salvação. Mas aqueles que aceitam, recebem de graça o melhor dos presentes.

      Abraços, Paz de Cristo.

      Excluir
  14. Se trocar Deus, por “Fulano de Tal” com poder político, bélico, religioso, faria mais sentido.
    Ira, vingança, violência, são atributos humanos muito negativos. Deus por definição é perfeito. Logo, fica difícil de conceber que Ele use essas emoções tão egoístas e humanas.

    Mas se é Deus:
    Se nas regras dele, Ele opta por interferir na nossa vida frente a coisas passíveis de castigo, por que será que ele não faz isso sempre? Ele interfere ou não interfere nas coisas mundanas?
    O julgamento é agora ou será quando Jesus voltar?

    Considerando que as características mais fortes Dele são o amor e a misericórdia (com base no NT e revogação das leis):
    Se Deus vai interferir, por que não fazer de forma harmoniosa, através da persuasão de fazer com que o pecador compreenda e opte por não pecar?
    Assim através de seu livre arbítrio a pessoa escolheria pelo correto porque a moral vem Dele, ela só precisa ser despertada. Haveria coração tão duro que não entendesse o propósito de Deus se Ele mesmo intervisse na mesma intensidade que interviu com a violência, porém, com amor de forma clara, sem deixar dúvidas, de forma objetiva e sábia como só Ele poderia fazer?
    Existem os que pensam que as pessoas "escolhem" não crer em Deus porque são orgulhosas e etc. Será? Têm muitos que realmente estão buscando a verdade, mas ao mesmo tempo não querem estar vivendo uma ilusão...
    Logo, mesmo QUERENDO não encontram motivos mínimos aceitáveis para aceitar a Bíblia é a palavra de Deus (pelo menos não totalmente).

    O que parece mais provável?
    1) Hoje Deus age com amor e nunca mandaria um povo matar e estuprar outro povo, mas fez isso em outra época porque estava de acordo com aquela sociedade.
    2) Os homens escreveram a Bíblia e colocaram em Deus as características que lhes parecia moral para aquela época, o que hoje não é da mesma forma pois a sociedade muda.

    De fato constatar que Deus pode ser imoral de acordo com nossos conceitos não invalida sua existência.
    Essa constatação apenas fortalece a grande possibilidade de que ele tenha sido criado por homens, logo contem traços dos mesmos.
    Não pense de forma binária... pense nas possibilidades (todas possíveis) da forma mais imparcial possível.

    ResponderExcluir
  15. Caro Rodrigo Portes,

    "Se trocar Deus, por “Fulano de Tal” com poder político, bélico, religioso, faria mais sentido.
    Ira, vingança, violência, são atributos humanos muito negativos. Deus por definição é perfeito. Logo, fica difícil de conceber que Ele use essas emoções tão egoístas e humanas."


    A ira nem sempre é um sentimento negativo. Por exemplo, a ira surge naturalmente quando nos vemos numa situação de injustiça, ou quando vemos um princípio sendo quebrado, quando alguém fere a quem amamos... o problema na verdade são as consequências da ira. A ira pode nos levar a fazer coisas erradas, porque somos imperfeitos. Se você percebeu, eu relacionei a ira ao amor e à justiça. Se Deus possui amor e justiça, Ele também possui ira. Mas como Ele é perfeito, Ele não está sujeito a fazer uma "besteira" por causa dessa ira. E mais, o papel exclusivo de Deus como Legislador do Universo faz com que Ele aja quando a ira é gerada, como forma de punição e manutenção da justiça. Certamente a mente de Deus é algo muito mais complexo que isso, mas acho que isso vale como um raciocínio simplificado.

    "Se nas regras dele, Ele opta por interferir na nossa vida frente a coisas passíveis de castigo, por que será que ele não faz isso sempre? Ele interfere ou não interfere nas coisas mundanas?
    O julgamento é agora ou será quando Jesus voltar?"


    Eu penso que muito do que acontece com a gente em vida são (1) consequências naturais das maldades cometidas e (2) sofrimento gerado para ser uma oportunidade de arrependimento e salvação. O julgamento definitivo será no fim dos tempos.

    "Considerando que as características mais fortes Dele são o amor e a misericórdia (com base no NT e revogação das leis):"

    Isso não é verdade, não dá pra dizer que um atributo de Deus é mais forte que o outro. Se é, não sabemos, porque a Bíblia não diz isso.

    "Se Deus vai interferir, por que não fazer de forma harmoniosa, através da persuasão de fazer com que o pecador compreenda e opte por não pecar?
    Assim através de seu livre arbítrio a pessoa escolheria pelo correto porque a moral vem Dele, ela só precisa ser despertada. Haveria coração tão duro que não entendesse o propósito de Deus se Ele mesmo intervisse na mesma intensidade que interviu com a violência, porém, com amor de forma clara, sem deixar dúvidas, de forma objetiva e sábia como só Ele poderia fazer?
    Existem os que pensam que as pessoas "escolhem" não crer em Deus porque são orgulhosas e etc. Será? Têm muitos que realmente estão buscando a verdade, mas ao mesmo tempo não querem estar vivendo uma ilusão...
    Logo, mesmo QUERENDO não encontram motivos mínimos aceitáveis para aceitar a Bíblia é a palavra de Deus (pelo menos não totalmente)."


    Pois é, todo mundo vive falando isso, mas perceba: não dá pra ficar usando essa coisa de "Não seria melhor se Deus fizesse X? Por que Ele faz Y?". Temos que reconhecer que nossa mente é limitada para conhecer todos os propósitos dEle, logo qualquer questionamento deste tipo seria infundado. Algumas coisas são possíveis de serem analisadas porque nos foram reveladas, mas algumas permanecem um mistério.

    Abraços, Paz de Cristo.

    ResponderExcluir
  16. Já que Deus não pode emitir ordens a si mesmo, Ele não tem obrigações morais para cumprir. Portanto, Ele certamente não esta sujeito às mesmas obrigações e proibições a que nós estamos.

    Realmente esse deus biblico idiota não segue nenhuma lei de moral,parece que o diabo tem mais moral que ele, eu quero que esse deus imoral vai tomar no cú!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Esse teu tipo de comentário só colabora com todo preconceito gerado em volta de uma pessoa ateia :/

      Excluir
  17. OK, mas por que mesmo em Efésios 6:12, diz que "nossa guerra não é contra a carne e o sangue..."?
    Por que de uma hora pra outra (muitos séculos depois, melhor dizendo), Deus "descobriu" que na verdade o homem não é exatamente o culpado, e sim as "hostes espirituais da maldade"?
    É difícil aceitar esse argumento de que Deus está a uma moral diferente da nossa. Isso soa como "faço o que eu digo, mas não faça o que eu faço".
    Hoje há terroristas que se dizem a serviço de Deus. Os atos deles são criminosos, todos concordam. Ora, mas os patriarcas bíblicos também se diziam em nome de Deus.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, caro Don Juan.

      Não entenda como se Deus tivesse mudado de ideia. Isso não pode acontecer. Em Efésios 6.12, o Apóstolo Paulo está falando para a igreja de Éfeso sobre a luta PESSOAL de cada cristão em relação ao pecado. Isso se torna óbvio se você ler o contexto. Ele diz que a "nossa luta não é contra carne e sangue", ou seja, você não deve se flagelar fisicamente para se purificar de alguma coisa, a luta é no nível espiritual. Isso é algo totalmente diferente do contexto que eu trato no artigo. Ali o POVO de Israel está sendo usado como um INSTRUMENTO de Deus para efetuar JUSTIÇA a uma NAÇÃO pecaminosa. Em nenhum momento há uma "guerra pessoal contra o pecado" aqui. Não confunda as coisas.

      Eu nunca disse que Deus está a uma moral diferente da nossa. A moral de Deus é exatamente a MESMA da nossa, a diferença é que nós estamos em categorias diferentes dentro desse sistema. Deus é o Juiz ou Legislador, e nós somos os que devem obedecer a essa Lei. Deus é a fonte dos deveres morais e nós somos os agentes morais. Não entenda o fato de Deus não ter obrigações morais como que Ele possa fazer o que Ele quiser, sem restrição. Isso não é verdade. Deus só age e pode agir de acordo com a Sua natureza, que é perfeita (se Ele agir diferente Ele deixa de ser perfeito, e portanto deixa de ser Deus). A diferença é que Ele não faz isso por obrigação, faz isso porque é de Sua própria natureza. Na questão do matar tem uma diferença que eu tentei deixar bem clara no texto mas parece que não foi suficiente: Deus é o dono da vida, Ele tem direito de tirar quando Ele quiser, isso não corresponde a uma falta ou erro de qualquer tipo. Já o ser humano peca quando mata porque não possui esse direito.

      Abraços, Paz de Cristo.

      Excluir
  18. o blog deveria se chamar respostasaocristianismo, um ateu não usa a bíblia para validar a própria bíblia; genocidio é limpeza etnica, matar um grande grupo de pessoas por motivaçoes politicas, religiosas raciais e etc.
    no entanto deus tem foro privilegiado e nao pode ser julgado por homens na terra...rsrs

    ResponderExcluir
  19. Caro David e seguidores,

    Não consigo não odiar a religião por causa do que ela faz com pessoas inteligentes como vocês.
    Notem que, resumindo o texto bem escrito acima, o que fica é apenas uma defesa do deus assassino e genocida sim!
    Defendemos o deus genocida da bíblia e abominamos os ataques de Israel contra a Palestina, onde mulheres, homens e crianças inocentes estão morrendo.
    Qual a diferença?
    O disrcurso, até pode ser, mas os fins são os mesmos, deus covarde, homens covardes...
    Mas em nome de deus pode, amém?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Caro Gerson,
      não misture as coisas. A guerra Israel/Palestina atual não tem nada a ver com esses relatos da Bíblia. São coisas diferentes. E todo o contexto da situação bíblica foi bem explicado aqui. É óbvio que nenhuma pessoa pode sair por aí matando e vai ser justificada só porque alega ser "em nome de Deus". Deus só fez isso uma vez na história, milhares de anos atrás e ficou registrado nesse livro. Depois que Jesus veio ele avançou um nível no tratamento com a humanidade.

      Outra coisa, o próprio conjunto de palavras "deus assassino" não faz sentido em si. A palavra "assassino" se refere a um ser humano que mata outro ser humano. Quando um animal ou um objeto causa a morte de um homem, não nos referimos a eles como "assassinos". Do mesmo modo, Deus está em uma categoria diferente, e foi isso que eu tentei explicar no artigo. Deus tem todo direito de colocar e tirar vidas o quanto quiser na Terra, isso não torna o ato intrinsecamente mau. Principalmente se as pessoas cometiam pecados terríveis, como era o caso dos cananeus. Aliás, não deve estar longe o dia em que Ele fará o mesmo com essas pessoas que estão por aí hoje em dia dizendo matar em nome dEle.

      Abraços, Paz de Cristo.

      Excluir
    2. "Depois que Jesus veio ele avançou um nível no tratamento com a humanidade." Uma verdadeira pérola. ( Poucas vezes li tamanho absurdo para justificar os desígnios do deus da guerra)

      Excluir
  20. Pelo que eu entendi, para atacar Deus, o movimento ateísta mudou sua direção para dizer que Ele existe, mas é mau.
    É isto ?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não, por isso essa página deveria se chamar "resposta ao cristianismo". Eu, como ateia, só fico abismada de como pessoas que acreditam nesse deus podem aceitá-lo. Ele é mau.

      Excluir
    2. Cara Fernanda,
      que parâmetro você utiliza para dizer se Deus é bom ou mau? O seu próprio senso moral, limitado e possivelmente distorcido por questões culturais? Como teístas e cristãos, cremos que Deus é a própria fonte dos valores morais absolutos. Então tudo o que ele faz, POR DEFINIÇÃO (ou seja, independente de como julgamos), é bom. Porque se fosse mal, Ele não faria, pois se fizesse, não seria Deus.

      Daí vem algumas confusões comuns, que aliás eu tentei abordar nesse texto. Ao dizer que a moral absoluta vem do caráter de Deus, alguns tendem a concluir que "então tudo que Deus faz eu posso fazer, já que tudo é bom". Mas isso não é necessariamente verdade, porque há algumas coisas que não temos a CAPACIDADE de fazer da mesma forma que Deus faz, além do que existem regras morais que só se aplicam a criaturas e não ao criador (você pode pensar numa analogia pra isso: existem algumas regras que só valem para crianças e outras só para adultos, por exemplo).

      Assim se torna fácil de entender porque Deus tem o direito de tirar vidas o quanto quiser (já que Ele é o criador, Ele poderia até destruir todo o Universo agora mesmo se quisesse... é direito dEle), enquanto nós não temos - porque a minha vida não vale mais do que a sua, então não tenho direito de tirá-la e continuar com a minha.

      Outra coisa, mais complicada, é o caso específico em que os hebreus mataram a mando de Deus. Mas isso eu vou responder no seu outro comentário, ali em baixo.

      Abraços, Paz de Cristo.

      Excluir
    3. não é que deus é mal...é que ele não existe mesmo....se existisse, não teria feito coisas horríveis...e essas coisas horríveis da bíblia são apenas crueldades cometidas por homens que INVENTARAM esse deus, só pra poder justificar as crueldades

      Excluir
  21. Toda essa história de conquista de terras sob as ordens de um deus já se repetiu com um personagem muito famoso da bíblia. Josué. O sucessor de Moisés nada mais era do que um líder de um grupo terrorista que sob as "ordens" de um deus tirano invadiu terras e deflagrou guerras contra os povos da palestina inclusive matando crianças e animais que certamente não sabem nem o que é uma guerra. A bíblia(especialmente o VT) é um livro covarde e violento, que contém lideres covardes e violentos que servem a um deus covarde e violento. Todo o cristão/judeu minimamente sensato deveria lavar a boca ao acusar o estado islâmico de terrorismo, pois eles fazem "apenas" aquilo que Israel fez e continua fazendo.

    * Eu sou contra as ações do estado islâmico, bem como as de qualquer grupo que se diz representante de qualquer deus.

    ResponderExcluir
  22. Deus é bom. Deus é santo. Deus é justo. Deus é amoroso. Deus é soberano.
    A Bíblia no N.T. a partir do exemplo de Cristo e dos ensinamentos Dele e o complemento pelos apostólos nos mostram claramente como devemos viver nesse mundo.
    Ficar "batendo cabeça" nesse assunto sobre os cananeus é ignorar os atributos imanentes de Deus e por fim perca de tempo em orar, adorar e amar ao nosso Criador, assim como Jesus em forma humana fez.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. putzzz....vc ainda tenta arruma uma justificativa?? rsrsrs
      a pessoa quando é fanática só enxerga a maldade quando não é a mando de deus

      Excluir
  23. Nesse exato momento o EI está matando pecadores em nome de deus. E esse texto justifica todas aquelas barbaridades. Parabéns.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Cara Fernanda,
      como eu dizia no outro comentário, o caso específico em que os hebreus mataram a mando de Deus é algo menos direto de se entender. Talvez nunca entendamos completamente. Entretanto, nesse texto (que aliás tem 2 partes, não sei se você leu a continuação) eu procurei abordar o maior número possível de detalhes a respeito desse episódio, e fazer o leitor entender alguns pontos fundamentais, dos quais destaco dois agora pra responder o seu comentário:

      1) A nação de Israel pré-cristã possuía um papel específico na Terra, que era o de ser "povo de Deus". Por isso eles tinham algumas atribuições, uma delas a de ser um instrumento de justiça de Deus na Terra. E digo justiça mesmo, porque deixei bem claro no texto também que os povos cananeus não eram tão "bonzinhos" como alguns querem acreditar que eram.

      2) Isso seria impossível de acontecer novamente hoje em dia, segundo o entendimento do cristianismo. Porque depois que Cristo veio e Israel o rejeitou, eles meio que "perderam" esse status de povo exclusivo de Deus. Não existe nação hoje em dia com atribuições equivalentes à de Israel no Antigo Testamento. E mesmo se existisse, atos como esse de exterminar inimigos, sem ser em legítima defesa, são proibidos pela própria moral cristã. Aquela que nos manda amar os próprios inimigos e orar por eles.

      Concluindo, esse texto de forma nenhuma endossa o que o Estado Islâmico faz. Repudiamos isso com toda a força, segundo o nosso entendimento, pelos dois motivos acima. Aliás, vale lembrar que sempre fez parte da práxis islâmica cometer atos de violência em nome do deus deles. Isso porque a concepção deles de Deus é ligeiramente diferente daquela do cristianismo.

      Abraços, Paz de Cristo.

      Excluir
  24. Na Bíblia : DEUS PRATICANDO O MAL E ORDENANDO OS PIORES CRIMES HEDIONDOS MAIS DESUMANOS, ABOMINÁVEIS E MONSTRUOSOS : Deus ordenando EXTERMINAR todos os povos que não acreditam nele: Deuteronômio 13, 13-19 “… Ferirás ao fio da espada todos os moradores daquela cidade, destruindo a ela e a tudo o que nela houver, até os animais.”

    Deus ordenando MATAR CRIANÇAS e BEBÊS e GRÁVIDAS e ANIMAIS e ESTUPRAR MULHERES e MENINAS:

    Isaías 13 “Todo o que for achado será trespassado; e todo o que for apanhado, cairá à espada. E suas crianças serão despedaçadas perante os seus olhos; as suas casas serão saqueadas, e suas mulheres violadas.”

    Oséias 13 “Samária levará sobre si a sua culpa, cairá à espada; seus filhinhos serão despedaçados, e as suas mulheres grávidas serão fendidas.”

    I Samuel 15:3 “Vai, pois, agora, e fere a Amaleque, e destrói totalmente a tudo o que tiver, e nada lhe poupes; porém matarás homem e mulher, meninos e crianças de peito, bois e ovelhas, camelos e jumentos.”

    Números 31 “Agora, pois, matai todos os meninos entre as crianças, e todas as mulheres que conheceram homem, deitando-se com ele. Mas todas as meninas, que não conheceram homem, deitando-se com ele, deixai-as viver para vós.” Isaías 14:21 “Preparai a matança para os seus filhos por causa da maldade de seus pais.”

    Ezequiel 23:25, 47 “Deus irá matar os filhos e as filhas de todas que foram prostitutas.”

    Deuteronomio 22:20-21 “Mulheres que perdem a virgindade fora do casamento devem ser mortas.”


    Deus te ordenando matar os teus próprios filhos:

    Deuteronômio 21 “Se alguém tiver um filho teimoso e rebelde, seu pai e sua mãe, pegando nele, o levarão aos anciãos de sua cidade, e à porta do seu lugar; e dirão aos anciãos da cidade: Este nosso filho é teimoso e rebelde; não dá ouvidos à nossa voz; é comilão e beberrão. Então todos os homens da sua cidade o apedrejarão, até que morra.”


    Deus castigando com CANIBALISMO INFANTIL, obrigando a DEVORAR TEUS PRÓPRIOS FILHOS:

    Levítico 26:29 “E comereis a carne de vossos filhos e a carne de vossas filhas.”

    Deuteronômio 28:53 “E, no cerco e no aperto com que os teus inimigos te apertarão, comerás o fruto do teu ventre, a carne de teus filhos e de tuas filhas, que o Senhor teu Deus te houver dado.”

    Jeremias 19:9 “Eu farei com que comam a carne dos seus filhos e das suas filhas; e cada um comerá a carne do seu próximo.”


    DEUS MATANDO UM BEBÊ :

    2 Samuel 12:15 "Depois o Senhor feriu a criança que a mulher de Urias dera a Davi, de sorte que adoeceu gravemente. Ao sétimo dia a criança morreu."

    Deus mandando ursos despedaçarem 42 crianças, assassinadas por ironizarem a careca do profeta Eliseu:

    2 Reis 2:24 “E, virando-se ele para trás, os viu, e os amaldiçoou no nome do Senhor; então duas ursas saíram do bosque, e despedaçaram 42 daqueles meninos.”


    Deus te ordenando matar os seus próprios irmãos, amigos e parentes:

    Êxodo 32 “Eis o que diz o Senhor, o Deus de Israel: cada um de vós meta a espada sobre sua coxa. Passai e repassai através do acampamento, de uma porta à outra, e cada um de vós mate o seu irmão, seu amigo, seu parente!”


    Deus te ordenando MATAR QUEM TRABALHA aos sábados:

    Êxodo 31 “Seis dias se trabalhará, mas o sétimo dia será o sábado de descanso solene, santo ao senhor; qualquer um que no dia do sábado fizer algum trabalho deve ser morto.”

    ResponderExcluir
  25. Deus te ordenando matar adúlteros:

    Levítico 20, 10 “O homem que adulterar com a mulher de outro deve ser morto, tanto como a adúltera.”


    Deus ordenando matar homossexuais:

    Levítico 20, 10 “Se um homem se deitar com outro homem, como se fosse mulher, ambos terão praticado abominação; devem ser mortos.”


    Deus ordenando matar quem não crer :

    Levítico 24, 16 “E aquele que blasfemar o nome do senhor deve ser morto; toda a congregação deve apedrejá-lo.”


    Deus ordenando a escravidão:

    Levítico 25:44-45 “Escravos e escravas para vos servires, podereis adquiri-los entre os povos circunvizinhos. Podereis também comprá-los dentre os filhos dos estrangeiros, que habitarem entre vós e dentre suas famílias, nascidos e crescidos na vossa terra, e serão vossa propriedade”.

    Deus :

    Amaldiçoou toda a Humanidade pelo erro de apenas duas pessoas

    (Gênesis 3:14-19)

    Afogou quase todos os seres vivos, inclusive crianças (inutilmente, pois o Mal continuou)

    (Gênesis 6-7, Gênesis 8:21)

    Provocou o genocídio de vários povos

    (Deuteronômio 7:1)

    Matou pessoas e animais inocentes que nada tinham a ver com as decisões do faraó (Êxodo 12:29, Êxodo 9:3-6)

    Matou dezenas de crianças apenas por terem zombado de um profeta

    (Reis 2:24)

    Ordenou o massacre de crianças, idosos e mulheres grávidas

    (Deuteronômio 32:25, Ezequiel 9:6, Deuteronômio 2:33,34)

    Matou muitos do seu próprio Povo Escolhido apenas por estarem insatisfeitos

    (Números 14:27-29)

    Matou um homem apenas por ele não querer engravidar a mulher do próprio irmão

    (Gênesis, 38:08-10)

    Matou um homem apenas por ter trabalhado no sábado catando lenha para fazer uma fogueira e aquecer a família dele no frio do inverno

    (Números 15 32-36)

    Matou uma mulher apenas por ter olhado para trás

    (Gênesis 19:26)

    Queimou vivas várias pessoas

    (Reis 10-13, Números 11:1)

    Matou um bebê pelo erro do rei que Ele mesmo escolheu

    (Samuel 12:14,15)

    Matou duas pessoas apenas por terem mentido sobre a venda de um terreno

    (Atos 05:1-10)

    Mandou matar as mulheres casadas e estuprassem as virgens

    (Números 31:17-18)

    Afogou cerca de 2000 porcos que possuíam dono

    (Moucos 5:11-13)

    Humilhou uma mulher que buscava a cura para a filha

    (Mateus 15:22-27)

    Impediu que um homem fosse ao velório do próprio pai

    (Mateus 8:21-22)

    Assegurou que não veio trazer a paz, mas a espada e a guerra entre irmãos

    (Mateus 10:34,37)

    Sadicamente enganou seu próprio povo escolhido

    (Números 11:18-20 e Números 18:31, 32)

    Criou leis cruéis, intolerantes, absurdas, supersticiosas e preconceituosas

    (Levítico 15:19, Êxodo 21:20-21, Deuteronômio 22:21, Levitico 21.18-20, Deuteronômio 25:11,12, etc)

    Castigou com pragas terríveis seus desafetos

    (Números 16:41-50, Números 25:9, Samuel 5:6, Samuel 24:15, etc)

    Disse que ele mesmo criou o Mal e o sofrimento, o surdo, o mudo e o cego

    (Isaías 45:7, Êxodo 4:11)

    Avisou que no seu julgamento final haverá os piores horrores

    (Lucas 21:23, Apocalipse 6:8, Apocalipse 9:6)

    Ameaça com TORTURA ETERNA os que não crêem nele

    (João 3:18, Lucas 10:10-16, João 3:18, Apocalipse 21:8)

    Moral da Estória : DEUS É O MAL ABSOLUTO.

    ResponderExcluir
  26. Tudo isto é um absurdo. Não pode existir uma justificativa lógica e racional para um horripilante e monstruoso genocídio no velho testamento sob a autoridade de “Deus”. Só existem duas explicações para isso: ou foram os homens que tomaram esta iniciativa, alegando que era a vontade de deus, para tomar as cidades e saquear seus pertences para si mesmos ou existia um outro “deus” no velho testamento. Acho mesmo que somos é uma espécie de experiência de laboratória de vida criada por uma raça alienígena avançada, que durante um tempo acompanhou nossos progressos e depois nos abandonou a própria sorte. Talvez esteja preparando agora outra forma de vida para ficar no lugar da nossa, num futuro não muito distante.

    ResponderExcluir
  27. Tudo isto é um absurdo. Não pode existir uma justificativa lógica e racional para um horripilante e monstruoso genocídio no velho testamento sob a autoridade de “Deus”. Só existem duas explicações para isso: ou foram os homens que tomaram esta iniciativa, alegando que era a vontade de deus, para tomar as cidades e saquear seus pertences para si mesmos ou existia um outro “deus” no velho testamento. Acho mesmo que somos é uma espécie de experiência de laboratória de vida criada por uma raça alienígena avançada, que durante um tempo acompanhou nossos progressos e depois nos abandonou a própria sorte. Talvez esteja preparando agora outra forma de vida para ficar no lugar da nossa, num futuro não muito distante.

    ResponderExcluir
  28. Como a religião corrompe o ser humano a ponto de defender chacinas, nem as crianças são poupadas e a justificativa é "Por que Deus mandou". Ora, se aquela terra era prometida, poderia ter protegido de outras formas ou o próprio Deus poderia ter realizado o trabalho sujo de forma natural ao invés de mandar pessoas matarem pessoas.Isso que vocês chamam de Deus é uma criação humana, é um Deus selvagem, não tem nada de divino, se ele existe certamente não tem nada a ver com a bíblia e outros livros que se dizem sagrados.

    Essa frase vai para o hall da fama de bobagens:

    "Portanto, por mais que nos pareça estranho, é certo para Deus matar homens, mulheres ou crianças sempre que lhe aprouver. Deus dá a vida e Ele toma a vida."

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Matar para Deus só seria errado se você colocar Deus em patamar de igualdade com os homens. Nós homens não podemos matar outros homens porque não temos esse direito, ninguém é dono de ninguém. Mas se Deus é o criador da vida, e dos próprios homens, ele tem direitos sobre a sua criação. Somos suas criaturas, criadas por ele para o propósito que ele quiser nos dar. Se ele quiser que deixemos de existir, ele tem todo o direito de fazer isso.

      Abraços, Paz de Cristo.

      Excluir
  29. David de souza, a paz de Cristo!

    Rapaz gostei muito do que você escreveu e a paciência de explicar alguns textos bíblicos,
    mas algo me chama atenção nas pessoas que não acreditam em DEUS, e o jeito que elas escrevem como se nós fossemos pessoas que vamos para a igreja somente para dar o dízimo ao Pastor. Apesar der sermos 50 milhões de "alienados", eles não conseguem explicar isso: Os milagres que acontecem todos os dias na frente deles e eles continuam insistindo que DEUS não existe?

    Ei vocês que são do contra DEUS, só existe duas possibilidades no universo:
    1) Ou ele existe
    2) Ou ele não existe

    Então se somente um milagre desses que a televisão todos os dias mostra for verdadeiro (somente um)
    tem algo muito errado com vocês que não acreditam em DEUS. E não adianta falar que é mentira, são artistas, milagre comprado. Agora na televisão só podem mostrar milagres comprovados com os exames.

    Gente preste atenção de novo: Se somente um milagre for verdeiro DEUS exite, certo?

    Vocês tem mais fé do que eu e o Davi juntos!

    A paz de Cristo!




    ResponderExcluir
  30. Tanta discussão e não dizem nada que se aproveite. Nem uns, nem outros.
    Leiam e estudem a teoria espírita (Alain Kardec) - Responde a todas as vossas questões.
    As questões do David Sousa, que não têm ponta por onde se pegue e as dos outros.
    O Inferno, aliàs como o céu, não existe.
    O antigo testamento e um chorrilho de mentiras e aldrabices, que não passam de lendas.
    Até o novo testamento está cheio de mentirinhas.
    Leiam o livro de Jorge Blaschke (Mentiras do Cristianismo - Contradições e falsidades da Bíblia) e ... para aprofundar a vossa cultura leiam o livro intitulado "Gilgamesh" e vejam a inlfuência do Gilgamesh na feitura do Genesis.
    Há ainda um outro livro muito importante: Uma história de Deus(Judaísmo, Cristianismo e Islamismo, uma busca de 4.000 anos) De Karen Armstrong: por último leiam o livro : As raízes da Religião de Henri hatzfeld.

    Leiam e meditem, antes de dizerem baboseiras.

    A frase que mais me impressionou de tudo o que li e já li bastante (Desde o Budismo, Xintoismo, Cristianismo, Islamismo, Judaísmo, etc., etc.)foi uma que diz : Deus não criou O homem, mas foi o homem que criou Deus.
    ..... e por aqui me fico. Só depois de lerem os livros que cito não só, é que estarão habilitados a responder.

    ResponderExcluir
  31. COMENTÁRIO CORRIGIDO: Tanta discussão e não dizem nada que se aproveite. Nem uns, nem outros.
    Leiam e estudem a teoria espírita (Alain Kardec) - Responde a todas as vossas questões.
    As questões do David Sousa, que não têm ponta por onde se pegue bem como as dos outros.
    O Inferno, aliàs como o céu, não existe.
    O antigo testamento é um chorrilho de mentiras e aldrabices, que não passam de lendas.
    Até o novo testamento está cheio de mentirinhas.
    Leiam o livro de Jorge Blaschke (Mentiras do Cristianismo - Contradições e falsidades da Bíblia) e ... para aprofundar a vossa cultura leiam o livro intitulado "Gilgamesh" e vejam a inlfuência do Gilgamesh na feitura do Genesis.

    Há ainda um outro livro muito importante: Uma história de Deus (Judaísmo, Cristianismo e Islamismo, uma busca de 4.000 anos) De Karen Armstrong: por último leiam o livro : As raízes da Religião de Henri hatzfeld.

    Leiam e meditem, antes de dizerem baboseiras.

    A frase que mais me impressionou de tudo o que li e já li bastante (Desde o Budismo, Xintoismo, Cristianismo, Islamismo, Judaísmo, etc., etc.) foi uma que diz : Deus não criou O homem, mas foi o homem que criou Deus (num certo contexto, isto é bem verdade).
    ..... e por aqui me fico. Só depois de lerem os livros que cito e não só, é que estarão habilitados a responder.

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...