terça-feira, 26 de fevereiro de 2019

Teologia é Poesia? Por C. S. Lewis [PARTE 5]


Olá, leitores. Esta é a última parte da série de trechos do ensaio "Teologia é poesia?", por C. S. Lewis. Se ainda não leu as partes anteriores, veja aqui: Parte 1Parte 2Parte 3, Parte 4. Veja também outros textos sobre C. S. Lewis aqui.

Nesta parte do texto, ele continua o assunto da Parte 2, onde falava a respeito da cosmovisão científica (ou cientificista) ser um "mito". Aqui ele conclui que o mito científico é muito menos crível do que a visão de mundo cristã.

O texto foi traduzido diretamente do original inglês pelo Google e revisado por mim.

O Triunfo da Cosmovisão Cristã sobre o Mito Cientificista

(...)
Por todas essas razões, então, penso (embora soubéssemos antes mesmo de Freud que o coração é enganoso) que aqueles que aceitam a Teologia não estão necessariamente sendo guiados pelo gosto em vez da razão.

A imagem tantas vezes pintada de cristãos reunidos em uma faixa cada vez mais estreita de praia, enquanto a maré crescente da “Ciência” se eleva mais e mais, não corresponde a nada em minha própria experiência. Esse grande mito que pedi a você para admirar alguns minutos atrás não é para mim uma novidade hostil que invade minhas crenças tradicionais. Pelo contrário, essa cosmologia é de onde eu comecei. Aprofundar a desconfiança e o abandono final desta visão precederam a minha conversão ao cristianismo. Muito antes de acreditar que a Teologia fosse verdadeira, eu já havia concluído que o quadro científico popular da realidade era falso. Uma inconsistência absolutamente central o arruina; é o que falamos no último encontro, uma quinzena atrás. Todo o quadro professa depender de inferências de fatos observados. A menos que a inferência seja válida, a imagem inteira desaparece. A menos que possamos ter certeza de que a realidade na mais remota nebulosa ou na parte mais remota obedece às leis de pensamento do cientista humano aqui e agora em seu laboratório - em outras palavras, a menos que a Razão seja absoluta - tudo está em ruínas. No entanto, aqueles que me pedem para acreditar nesta imagem de mundo também me pedem para acreditar que a Razão é simplesmente o produto não-previsto e não intencional de matéria inanimada num estágio de transformação perpétua e caótica. Aqui está, simplesmente, a contradição. Eles me pedem ao mesmo tempo para aceitar uma conclusão e desacreditar o único testemunho sobre o qual essa conclusão pode se basear. A dificuldade é para mim fatal; e o fato de que quando você o coloca para muitos cientistas, longe de ter uma resposta, eles nem parecem entender qual é a dificuldade, o que me assegura que minha descoberta não é ilusória, mas é uma doença radical em todo o modo de pensamento deles desde o início. O homem que uma vez compreendeu a situação é compelido daqui por diante a considerar a cosmologia científica como sendo, em princípio, um mito; embora, sem dúvida, muitos detalhes verdadeiros tenham sido trabalhados nela.[1]

Depois disso, não vale muito vale a pena apontar outras pequenas dificuldades. Ainda assim, elas são muitas e sérias. A crítica bergsoniana do darwinismo ortodoxo não é fácil de responder. Mais inquietante ainda é a defesa do professor D.M.S. Watson. “A evolução em si”, ele escreveu,[2] “é aceita pelos zoólogos não porque tenha ocorrido ou (...) pode ser provada por evidência logicamente coerente como verdadeira, mas porque a única alternativa, a criação especial, é imensamente desacreditável.” Chegamos a esse ponto? Toda a vasta estrutura do naturalismo moderno depende não de evidências positivas, mas simplesmente de um preconceito metafísico a priori? Foi concebido não para se ater aos fatos, mas para se afastar de Deus? Mesmo, no entanto, se a Evolução no sentido estritamente biológico tem alguns fundamentos melhores do que o Professor Watson sugere - e não posso deixar de pensar que ela tem - devemos distinguir a Evolução nesse sentido estrito do que pode ser chamado de "evolucionismo universal" do pensamento moderno. Pelo evolucionismo universal quero dizer a crença de que a própria fórmula do processo universal é do imperfeito ao perfeito, do pequeno começo ao grande final, do rudimentar ao elaborado, a crença que faz as pessoas acharem natural pensar que a moralidade brota a partir de tabus selvagens, o sentimento adulto a partir de desajustamentos sexuais infantis, pensados ​​por instinto, a mente da matéria, o orgânico do inorgânico, o Cosmos do caos. Este é talvez o mais profundo vício da mente no mundo contemporâneo. Parece-me imensamente insustentável, porque torna o curso geral da natureza muito diferente das partes da natureza que podemos observar. Você se lembra do velho quebra-cabeça sobre se a galinha veio do ovo ou do ovo da galinha. A aquiescência moderna no evolucionismo universal é uma espécie de ilusão de ótica, produzida por atender exclusivamente à emergência da galinha a partir do ovo. Nós somos ensinados desde a infância a perceber como o carvalho perfeito cresce a partir da bolota e esquecer que a própria bolota foi derrubada por um carvalho perfeito. Somos constantemente lembrados de que o ser humano adulto era um embrião, mas nunca que a vida do embrião veio de dois seres humanos adultos. Adoramos notar que os motores automotivos de hoje são descendentes da máquina a vapor; não nos lembramos igualmente de que a máquina não vem de um motor ainda mais rudimentar, mas de algo muito mais perfeito e complicado do que ela mesma - a saber, um gênio humano. A obviedade ou naturalidade que a maioria das pessoas parece encontrar na idéia de evolução emergente parece ser uma pura alucinação.

Por estes motivos e outros como eles, somos levados a pensar que, seja o que for que seja verdadeiro, a cosmologia científica popular, em qualquer nível, certamente não é. Abandonei aquele navio não pelo apelo da Poesia, mas porque achei que não poderia se manter à tona. Algo como o idealismo filosófico ou o Teísmo deve, no pior dos casos, ser menos falso do que aquilo. E o idealismo acaba por se verificar, quando o analisamos seriamente, em ser Teísmo disfarçado. Uma vez que você aceitou o Teísmo, você não poderia ignorar as reivindicações de Cristo. E quando você as examina, parece-me que você não poderia adotar nenhuma posição intermediária. Ou Ele era um lunático, ou é Deus. E Ele não era um lunático.

Fui ensinado na escola a quando fazer uma soma, “provar a minha resposta”. A prova real ou verificação de minha resposta cristã à Suma cósmica é a seguinte. Quando aceito a Teologia, posso encontrar dificuldades, neste ponto ou naquele, em harmonizá-la com algumas verdades particulares que estão embutidas na Cosmologia mítica derivada da ciência. Mas eu posso aceitar a ciência como um todo. Apenas admitindo que a Razão é anterior à matéria e que a luz da Razão primordial ilumina as mentes finitas é que eu posso entender como os homens devem, por observação e inferência, vir a saber tanto sobre o Universo em que vivem. Se, por outro lado, eu engulo a cosmologia científica como um todo, então não apenas eu não posso me encaixar no cristianismo, mas eu também não posso me encaixar na própria ciência. Se as mentes são totalmente dependentes de cérebros, e os cérebros da bioquímica, e a bioquímica (em última análise) no fluxo sem sentido dos átomos, não posso entender como o pensamento dessas mentes deveria ter mais significado do que o som do vento nas árvores. E isso é para mim o teste final. É assim que diferencio o sonhar do estar acordado. Quando estou acordado, posso, em algum grau, explicar e estudar meu sonho. O dragão que me perseguiu ontem à noite pode ser encaixado em meu mundo desperto. Eu sei que existem coisas como sonhos; eu sei que eu havia comido um jantar indigesto; eu sei que se pode esperar que um homem com meus hábitos literários sonhe com dragões. Mas enquanto estava no pesadelo eu não poderia ter encaixado nele minha experiência acordado. O mundo desperto é julgado mais real porque pode assim conter o mundo dos sonhos; o mundo dos sonhos é julgado menos real porque não pode conter o mundo desperto. Pela mesma razão, tenho certeza de que, passando do ponto de vista científico para o teológico, passei do sonho para o despertar. A teologia cristã pode se encaixar na ciência, na arte, na moralidade e nas religiões subcristãs. O ponto de vista científico não se encaixa em nenhuma dessas coisas, nem mesmo na própria ciência. Acredito no cristianismo como acredito que o Sol nasceu, não só porque o vejo, mas porque, por meio dele, eu vejo todo o resto.

Notas:

[1] Não é irrelevante, ao considerar o caráter mítico dessa cosmologia, notar que as duas grandes expressões imaginativas dela são anteriores à evidência: a Hipérion de Keats e o Anel do Nibelungo são obras pré-darwinianas.

[2] Citado em Science and the B.B.C., Nineteenth Century, abril de 1943.

Um comentário :

  1. parabéns pelo ótimo texto no blog, muito bom ver que voltou a ativa!

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...