terça-feira, 16 de abril de 2019

[TRADUÇÃO] Testemunho de Rosalind W. Picard, professora do MIT

TESTEMUNHO
Uma professora do MIT encontra o Autor de todo o Conhecimento


"Eu costumava pensar que pessoas religiosas eram ignorantes. Então eu fui esperta e dei uma chance a Deus."

ROSALIND PICARD | 15 de março de 2019

Já na escola primária, quando eu era uma leitora voraz e uma aluna nota 10 em todos os assuntos, me identificava com ser inteligente. E eu acreditava que pessoas inteligentes não precisavam de religião. Como resultado, eu me declarei ateia e considerava pessoas que acreditavam em Deus como incultas.

No ensino médio, liderei uma equipe de debates em sala de aula, defendendo uma forma de evolução sem Deus, confiante de que meu lado venceria porque "isso era ciência". Quando a classe votou e concedeu a vitória para o lado da criação, fiquei estupefata. A maioria das pessoas não entendia ciência, eu percebi - ou isso, ou elas eram indevidamente influenciadas pela garota mais popular da sala. Ela tinha uma piscina em seu quintal e dava festas divertidas.

Na época, eu trabalhei como babá para ganhar dinheiro. Uma das minhas famílias favoritas era um jovem casal; tanto o marido (um médico) quanto a esposa eram bastante perspicazes. Uma noite, depois de me pagarem, eles me convidaram para ir à igreja. Fiquei atordoada - será que pessoas tão inteligentes realmente vão à igreja? Quando chegou a manhã de domingo, eu disse a eles que estava com dor de estômago. Eles me convidaram novamente na semana seguinte, e mais uma vez eu inventei outra dor de estômago. Quanto mais persistiam, mais me esforçava para inventar desculpas convincentes (tente fingir uma doença para um médico...).

Apenas uma fase?

Eventualmente, o casal tentou uma abordagem diferente. “Sabe, ir à igreja não é o que mais importa”, eles disseram. “O que importa é o que você acredita. Você já leu a Bíblia?”. Então eu pensei que, se eu quisesse ser uma pessoa instruída, precisava ler o livro mais vendido de todos os tempos. O médico me sugeriu começar com Provérbios, lendo um capítulo por dia durante um mês. Quando abri pela primeira vez a Bíblia - essa era a versão King James -, esperava encontrar milagres falsos, criaturas inventadas e vários tipos de jargões religiosos. Para minha surpresa, Provérbios estava cheio de sabedoria. Eu tive que fazer uma pausa enquanto lia e para pensar.

Eu silenciosamente comprei uma tradução moderna da Bíblia chamada The Way e a li toda. Apesar de eu nunca ter ouvido algum tipo de voz, ou qualquer outra coisa que justifique a consulta de um neurologista, eu senti essa estranha sensação de alguém ter falado comigo através da leitura. Era perturbador, mas estranhamente atraente. Comecei a me perguntar se realmente poderia haver um Deus.

Eu decidi refazer o meu caminho através da Bíblia, pensando que talvez a minha experiência fosse comum para os leitores de primeira viagem. Desta vez eu voltaria e leria com mais cuidado, a fim de melhor desmascará-la. Eu também me comprometi a aprender mais sobre as origens da Bíblia e estudar outras religiões. Talvez, pensei, a minha cultura - na qual a maioria das pessoas era cristã ou judia - estivesse me condicionando a achar o cristianismo atraente.

Meu professor favorito da escola no ensino médio, um judeu, administrava um programa para estudantes acima da média, que me permitia dedicar uma aula a cada semestre ao que eu quisesse. Estudei o budismo, o hinduísmo e várias outras religiões. Eu visitei templos, sinagogas, mesquitas e outros locais sagrados.

Mais do que tudo, eu queria passar por essa fase de "religião", porque eu sabia que não queria isso para a minha vida. Porém, apesar dos meus desejos, uma batalha interna se alastrou. Parte de mim estava cada vez mais ansiosa para passar tempo com o Deus da Bíblia, mas uma voz irritada dentro de mim insistia que eu seria feliz novamente assim que eu largasse isso e seguisse em frente.

Havia duas passagens bíblicas que achei especialmente preocupantes: Mateus 10:33 (“Mas quem me negar diante dos outros, eu o repudiarei diante de meu Pai nos céus.”) e Mateus 12:30 (“Quem não está comigo é contra mim, e quem comigo não ajunta, espalha.”). Eu estava ressentida com o que parecia ser um ultimato indesejado. Eu não queria acreditar em Deus, mas eu ainda sentia um sentimento peculiar de amor e presença que eu não podia ignorar.

Durante meu primeiro ano na faculdade, recuperei o contato com um amigo que tinha conhecido em um programa de intercâmbio. Ele tinha notas altas e também era uma estrela, tanto na quadra de basquete quanto no campo de futebol americano - nunca conheci ninguém tão inteligente e atlético. Ele me ajudou com uma tarefa de casa difícil de Física, e depois ele me convidou para sua igreja. Desta vez, eu me senti bem.

O sermão gerou muitas perguntas. Comecei a levantar a mão enquanto o pastor falava antes de perceber que todos os outros estavam sentados em silêncio. Eu cutuquei meu amigo: "Podemos fazer perguntas?" Ele não respondeu e pediu silêncio. Como aprendemos se não podemos perguntar? Depois do sermão, tentei obter respostas, mas as pessoas queriam mais socializar. Comecei então a frequentar as aulas da Escola Dominical, pois os professores me deixavam fazer perguntas. Além disso, também continuei lendo.

Em um domingo, o pastor falou sobre a diferença entre acreditar que existe um Deus e seguir a Deus. Eu sabia que Jesus afirmava ser “o caminho” para Deus, mas eu estava tentando evitar qualquer coisa relacionada a Jesus - eu não podia deixar de associar seu nome com as expressões “crente ignorante” ou “fundamentalista”. Mas o pastor chamou minha atenção quando ele perguntou: “Quem é o Senhor da sua vida?” Ele discutiu o que acontece quando “você, um ser humano, se coloca nesse trono”.

Fiquei intrigada: eu era a capitã do meu navio, mas seria possível que Deus estivesse realmente disposto a me guiar? A partir daí, cheguei a uma compreensão mais profunda do que significava ter um relacionamento com Deus através da fé em Jesus. Parecia bobo orar sobre isso - afinal, eu ainda tinha dúvidas sobre a existência de Deus. Mas, no espírito da aposta de Pascal, decidi fazer uma experiência, acreditando que tinha muito a ganhar, mas muito pouco a perder.

Depois de orar: “Jesus Cristo, peço que seja o Senhor da minha vida”, meu mundo mudou drasticamente, como se um mundo plano e preto-e-branco de repente se tornasse colorido e tridimensional. Mas eu não perdi nada do meu desejo de buscar novos conhecimentos. De fato, me senti encorajada a fazer perguntas ainda mais difíceis sobre como o mundo funciona. Eu senti alegria e liberdade - mas também um senso elevado de responsabilidade e desafio.

Aprendendo e explorando

Você já tentou montar algo mecânico e então ele apenas meio que funciona? Talvez as rodas girem, mas não suavemente. Então você percebe que estava faltando uma peça. Quando você finalmente monta tudo corretamente, funciona lindamente. Foi assim que me senti quando entreguei minha vida a Deus: achei que tinha funcionado bem antes, mas depois que foi “consertado”, funcionou exponencialmente melhor. Isso não quer dizer que nada de ruim tenha acontecido comigo - longe disso. Mas em todas as coisas, boas e ruins, eu podia contar com a orientação, o conforto e a proteção de Deus.

Hoje, sou professora da melhor universidade (Massachusetts Institute of Technology) no meu ramo. Tenho colegas incríveis que ajudaram a traduzir minha pesquisa de laboratório em produtos que fazem diferença - incluindo um relógio inteligente que ajuda os profissionais de saúde a salvar a vida de pessoas com epilepsia. Eu trabalho de perto com pessoas cujas vidas estão cheias de lutas médicas, pessoas cujos filhos não são saudáveis. Eu não tenho respostas adequadas para explicar todo o sofrimento delas. Mas eu sei que existe um Deus de grandeza e amor insondáveis ​​que livremente entra em relacionamento com todos os que confessam seus pecados e invocam o Seu nome.

Uma vez pensei que era esperta demais para acreditar em Deus. Agora, sei que fui uma tola arrogante que desprezou a maior Mente do cosmos - o Autor de toda ciência, matemática, arte e tudo mais que há para saber. Hoje ando humildemente, tendo recebido a graça mais imerecida. Eu ando com alegria, ao lado do companheiro mais incrível que alguém poderia pedir, cheio de desejo de continuar aprendendo e explorando.

Rosalind Picard é fundadora e diretora do Affective Computing Research Group do Massachusetts Institute of Technology.

Fonte: Christianity Today, Abril/2019, vol. 63, n. 3, p. 72, "I Got Smart and Took a Chance on God"
Tradução: David Sousa / Google Translate

Um comentário :

  1. Que belo testemunho esse dessa senhora, pena que o da minha conversão foi bem traumático, eu nunca acreditei na Bíblia nem na existência de Deus ou do diabo mas acreditava em forças do universo da natureza e esoterismo até que uma vez quando estava escrevendo um livro tive a infeliz ideia de fazer uma simpatia com sangue pra conseguir dinheiro e fama com ele, fiz um tipo de ritual pra uma deusa babilônica e cortei meu dedo e usei meu sangue então muitos meses depois quando o livro tava quase pronto nao sei porque mas algo dentro de mim me pedia pra destruir o livro e assim fiz daí dias depois comecei a ouvir vozes e ver luzes no teto do meu quarto, eles me atormentaram dia e noite sem parar não me deixavam dormir e junto com isso vi que os cortes no dedo haviam reaparecido e numa noite eu ainda apavorada coloquei numa pregação no celular e essa parou e uma voz suave que se identificou como o senhor começou falar coisas pessoais minhas inclusive disse que meus pecados não eram poucos porém não entendia porque eu não respondia a aquelas vozes, no dia seguinte fui levada amarrada pra o hospital depois comecei lembrar daquela parte na Bíblia que diz que satanás se traveste em anjo de luz e de outra em Deuteronômio que condena mexer com feitiçarias ali mesmo fui provada que a experiência que eu tinha passado era explicada pela Bíblia.Depois disso tive a maior prova que Deus também existe. O meu conselho hoje é que as pessoas creiam em Jesus e nunca deixem de seguir a única verdade nesse mundo que é a Bíblia.

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...